Pétalas Comestíveis - Flores Tão Apetitosas Quanto Sua Aparência

Flores Comestíveis

Resumo da matéria -

  • Uma grande variedade de pratos recebe um toque adicional quando são adicionadas pétalas de flores que possuem sabor sutil a eles para criar um apelo visual e culinário
  • Muitas espécies de flores, como crisântemo, cravina e violetas, contêm antioxidantes, fenólicos, flavonoides, minerais e muito mais
  • Algumas flores podem ser tóxicas ou foram borrifadas com substâncias químicas nocivas, por isso é importante saber exatamente o que são antes de usá-las na culinária
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Flores têm um lugar especial nos corações dos jardineiros porque levam uma profusão de cores, padrões contrastantes e fragrâncias aos espaços onde se convive. Mas diversas variedades não são apenas visualmente atraentes, mas possuem também valor culinário.

Sopas, cozidos, saladas, assados, sobremesas, geleias e bebidas geladas ganham toque adicional quando um arranjo de flores bem colocado ou uma flor de sabor sutil faz parte do apelo geral destes pratos.

Flores comestíveis variam entre aquelas que você já sabia que podia consumir - como cebolinha e mostarda - e flores exóticas antes consideradas puramente ornamentais.

É quase sempre recomendado que você apare a base branca das pétalas das flores, que pode ser amarga, mas podem ser consumidos amor-perfeito, madressilvas, violetas e trevos. Flores de gladíolo, com gosto de alface, podem ser usadas em saladas. O hibisco evoca uma essência cítrica semelhante ao do oxicoco bom para saladas ou então seco para fazer chá.

Tulipas, rosas e dálias, por exemplo, além de serem usadas por abelhas para produzir mel, estão mais uma vez ganhando popularidade na culinária, como ocorre nos últimos 100 anos, e até nas antigas culturas romana, do Oriente Médio e da China.

Rosas são tradicionalmente conhecidas como ornamentais, mas os romanos as usavam em pratos de purê cremosos, muitas vezes com frutas e legumes. As margaridas (Calendula officinalis L.) eram utilizadas em omeletes doces chamados tansies e também em saladas e com queijo.

Na época da Renascença na Europa, também era popular usar prímulas para tingir a comida com um tom de lavanda. As raízes da peônia eram reservadas para desfrute exclusivo dos reis do século XIV e, no século XVII, pétalas de cravo serviram como ingrediente secreto para fazer Chartreuse, licor francês. Epicurean diz:

“Durante o reinado da Rainha Vitória, houve o Dia da Prímula. Uma receita fantástica de copas de fadas pedia um buquê de flores feito com biscoito Champagne, [3] xícaras de creme de leite, dezesseis ovos e um pouco de água de rosas, amanteigado e assado com açúcar pulverizado por cima.”

Flores e Suas Aplicações em Alimentos

Margaridas podem ser picantes, amargas ou apimentadas, com sabor que lembra o açafrão.

As pétalas são a única parte comestível, variam de amarelo a laranja e podem ser usadas em sopas, saladas, manteigas de ervas e muito mais.

Trevo (trifolium) possui um gosto doce, parecido com anis, sempre melhor quando colhido fresco sem sinais de escurecimento.

O folclore diz que o chá da flor trevo melhora o crescimento das unhas, gota e reumatismo.

Nativos americanos usaram plantas inteiras em saladas e chá para resfriados e tosses.

As Pétalas do Amor-perfeito transmitem uma essência gramada, vagamente doce, enquanto que a flor inteira é usada para apresentar sabor mais invernal, útil em saladas de frutas, sobremesas, sopas e saladas.

A Juliana-dos-jardins possui flores de cor branca, lavanda e roxas.

Assemelhando-se ao phlox, ela cresce em tal profusão que é considerada invasiva.

Relacionada a plantas de mostarda como rabanete, repolho e brócolis, é um pouco amarga, o que dá um toque especial à salada.

A Cicuta-dos-prados tem sabor semelhante ao das cenouras, porque essa é sua herança.

O aglomerado de flores brancas minúsculas fica lindo em sopas.

Nota: Possui caule cabeludo, mas plantas semelhantes com caules lisos são conhecidas como cicuta, uma das plantas mais venenosas nos EUA.

Folhas de Begônia, flores e caules da variedade tuberosa promovem sabor cítrico amargo.

As hastes podem até substituir o ruibarbo em outros pratos.

Devido à presença de ácido oxálico, elas não são recomendadas para pessoas com gota, doenças inflamatórias ou pedras nos rins.

O Lírio-de-um-dia possui sabor que varia entre alface doce ou melão e aspargos ou abobrinha, com leve dulçor.

É lindo como enfeite, em sobremesas ou em saladas de primavera.

Os brotos podem ser usados como substituto ao aspargo. Observação: ele pode agir como laxante.

As flores da Madressilva possuem sabor doce semelhante ao do mel, sendo comestível em vários pratos, mas não coma as folhas tóxicas!

Escovinha, também conhecida como marianinha, tem flores vibrantemente azuis com essência doce, semelhante ao cravo-da-índia.

É usada como enfeite, bem como corante alimentício.

Crisântemos possuem tons branco, amarelo, laranja e vermelho, com leve sabor picante como o da couve-flor.

Após o branqueamento (borrife-o com água fervente por apenas alguns segundos), use-o em saladas, frituras ou para temperar o vinagre.

Craveiro, também conhecido como cravina, é surpreendentemente doce e funciona bem se adicionado a sobremesas ou como guarnição perfumada.

O sabor pode lembrar a noz-moscada ou o cravo.

Estudos Sobre o Poder Nutricional das Flores

Novas informações sobre a composição e o valor nutricional das flores comestíveis oferecem uma base ainda mais que suficiente para inclui-las em receitas.

Um estudo testou 12 espécies de flores e identificou antioxidantes, fenólicos e flavonoides, com conteúdo mineral encontrado no crisântemo, cravo e violetas, com altas quantidades de potássio.

Um estudo realizado pelo Instituto Politécnico de Bragança, em Portugal, examinou os aspectos nutricionais das flores. Cientistas usaram infusões e pétalas de rosas, centaureas, margaridas (calêndula) e dálias, já conhecidas no mundo científico pelo conteúdo de carotenoides.

Margaridas possuem grandes concentrações de gorduras poli-insaturadas, como ácido linolênico e alfa-tocoferol (vitamina E). Pétalas de rosas continham as maiores quantidades de proteínas totais e ácidos orgânicos, enquanto a centaurea, com cerca de 450 subespécies de anuários, bienais e perenes, tinha o menor percentual de gordura saturada.

Segundo a Associação Nacional de Jardinagem dos EUA, as rosas, especialmente as roseiras bravas, são ricas em vitamina C, assim como as margaridas e a capuchinha. As flores de dente de leão contêm ambas vitaminas C e A.

Flores que Conhecemos como Legumes

Alcachofras, brócolis e couve-flor são na verdade flores. As alcachofras, claro, se parecem muito com uma flor com pétalas verdes e são um ingrediente popular em saladas e sopas. A prímula pode ser cozida como legume, e seus botões podem ser usados para produção de conserva.

As florzinhas de brócolis e couve-flor têm diversos botões bem agrupados, que são consumidos cozidos ou crus em diversos. Se deixadas no jardim por mais tempo, esses botões se abririam em flores minúsculas com sabor levemente picante, tornando-se adição surpreendente e saborosa às saladas.

As flores da abóbora crescem nas extremidades da abobrinha em redemoinhos frouxamente torcidos, cobertos de um amarelo brilhante. A rúcula, legume verde frondoso, possui pequenas flores brancas que funcionam bem se usadas em saladas ou em sanduíches.

De um modo geral, as flores da maioria dos legumes e ervas são comestíveis, mas é sempre uma boa ideia pesquisar primeiro, pois ocasionalmente exceções à regra podem lhe fazer mal, como as da berinjela, pimentão, tomate, batata e aspargos.

O açafrão, tempero caro, é o estame da flor de açafrão. As flores não abertas de plantas nativas do Mediterrâneo e da Ásia chamadas Capparis spinosa e Capparis inermis, que conhecemos como alcaparras, são gomos populares salgados e decapados para serem usados no molho tártaro ou outros molhos.

As flores e brotos do rabanete quando usados em saladas, tem sabor um pouco semelhante aos próprios rabanetes. O sabor das flores de abóbora lembra o sabor deste legume e podem ser recheadas como pimentão.

Atenção: Nem Todas as Flores São Comestíveis

Por mais deliciosas e nutritivas que as flores possam ser, recomenda-se precaução porque algumas delas podem causar dores de cabeça, irritação, náusea ou pior.

Lírio do Vale — A flor cujo nome botânico é Convallaria majalis é quase universal, com suas flores brancas, em forma de sino e bagas vermelhas. Mas se for ingerida, pode causar vômito e cólicas estomacais.

Acônito — Com o nome botânico de Aconitum, o acônito é encontrado na Europa Ocidental e merece menção honrosa, porque essa flor de cor roxa vibrante é uma das flores mais venenosas do planeta. Um artigo explica que essa planta:

“Contém grandes quantidades do veneno mortal pseudaconitina; a ingestão do acônito leva à morte quase instantânea, enquanto que um mero toque nela com as mãos nuas pode levar a dormência, hipotensão cardiovascular e asfixia.”

Ageratina altissima — Da América do Norte, essa planta branca e delicada contém tremetol, que é tão tóxico que para matar alguém basta beber do leite de uma vaca que consumiu esta planta. Uma curiosidade: “A doença do leite” pode ter causado a morte da mãe de Abraham Lincoln.

Dedaleira — Favorita de jardins clássicos, com uma bela profusão de flores em forma de sino em talos altos e delgados, a dedaleira causa uma ampla variedade de sintomas, como tremores, batimento cardíaco irregular, náuseas, convulsões e delírio. A planta inteira - raízes, flores e até sementes - é tão venenosa que pode ser mortal.

Açafrão-do-prado — Original da Inglaterra, esta linda e familiar flor de baixo crescimento contém uma substância química tóxica chamada colchicina, que causa uma sensação de ardor na boca e garganta, diarreia e, nos piores casos, ataque cardíaco, insuficiência renal e até morte.

Dicas para Usar Flores na Culinária

Se você quiser servir um prato que raramente deixe de impressionar, as flores trazem mais charme e elegância. Mas conhecer algumas dicas importantes pode ajudar a proporcionar o sucesso que você procura.

  • Faça pratos simples. Uma superabundância de flores pode introduzir sabores que são muito intensos, sobrecarregando o sabor dos alimentos, quando seu objetivo é salientá-los. Além disso, certas flores podem causar problemas digestivos em algumas pessoas, o que é outro motivo para usar flores com moderação em seus pratos.
  • Nunca use flores que você encontra ao longo de estradas, porque é mais provável que elas tenham sido pulverizadas com produtos químicos.
  • Use apenas flores que você possa identificar sem sombra de dúvida. Não é uma boa ideia "torcer" que você tenha pego as espécies certas - é sempre melhor prevenir do que remediar.
  • Para limpar flores comestíveis, balance-as para livrá-las dos insetos. Remova o estame, as minúsculas anteras de aparência poeirenta e produtoras de pólen no topo do delicado filamento, pois algumas pessoas são alérgicas, depois lave as flores em uma tigela de água, escorra usando um coador e coloque-as em uma toalha de papel.

Deixe-as secar rapidamente (mas longe da luz direta do sol ou calor) para que elas mantenham seu sabor e fragrância. Se parecerem um pouco murchas, deixe-as flutuar em água gelada por alguns minutos ou coloque a flor inteira na geladeira durante a noite.

Chá de Pétala de Rosa, Cubos de Gelo Feitos com Flor e Receitas de Manteiga de Flor

Chá de Pétalas de Rosa

Ingredientes

  • 2 xícaras de pétalas de rosas perfumadas de cerca de 15 rosas grandes
  • 3 xícaras de água destilada
  • 1 colher de chá de mel ou Stevia para cada copo

Modo de preparo

  1. Certifique-se de que as rosas estejam livres de pesticidas, mas tenha em mente que, se elas são provenientes de um florista, de um centro de jardinagem ou de um viveiro, é provável que tenham sido expostas a pesticidas.
  2. Corte as bases brancas amargas de cada pétala e descarte.
  3. Enxague bem e deixe secar.
  4. Coloque as pétalas de rosa em uma panela pequena com água em fogo de médio a alto.
  5. Cozinhe por cinco minutos ou até que as pétalas fiquem mais escuras.
  6. Remova as pétalas e coe a água em quatro xícaras e acrescente o mel ou Stevia.

Cubos de Gelo de Flor

Modo de preparo

  1. Lave suavemente as flores.
  2. Ferva a água por dois minutos para que todo o ar escape.
  3. Deixe-as descansar para que possam esfriar até a temperatura ambiente para garantir que fiquem cristalinas.
  4. Coloque uma pequena flor no fundo das células individuais da bandeja de cubos de gelo, depois encha cada célula até a metade e deixe congelar.
  5. Quando a água na bandeja estiver congelada, encha cada célula até a parte superior com água e volte a congelar até que estejam prontas para serem usadas.

Manteiga de Flor

Ingredientes

  • ½ a 1 xícara de pétalas de flores lavadas e secas
  • 1 libra (456 g) de manteiga sem sal, temperatura ambiente

Modo de preparo

  1. Pique as pétalas finamente e misture com a manteiga em uma tigela de tamanho médio.
  2. Deixe repousar à temperatura ambiente durante a noite, coberta, para que os sabores se misturem.
  3. Refrigere por algumas semanas ou congele por alguns meses.