Alternativa Mais Seguras e Mais Saudáveis Para o Tratamento de Canal e Outras Técnicas de Restauração Comuns Mas Nocivas

paciente durante um procedimento odontológico

Resumo da matéria -

  • Dentes que passaram por tratamento de canal tendem a abrigar micróbios nocivos. Os produtos residuais metabólicos desses microrganismos são tóxicos e contribuem para muitas doenças crônicas
  • Se você sofre com qualquer doença crônica, uma “revisão dentária” pode ajudar sua recuperação
  • Uma revisão dentária envolve a remoção de agressores tóxicos de origem bucal, tais como dentes mortos, tecido morto da mandíbula, restauração dos metais nos dentes, e implantes que bloqueiam meridianos
  • Implantes dentários reduzem o fluxo de energia pelos meridianos. Assim como acontece com os tratamentos de canal, seus órgãos, glândulas ou estruturas anatômicas associadas podem sofrer declínio de funcionalidade como resultado
  • Os prós e os contras das opções alternativas de restauração dentária são discutidos, incluindo materiais mais seguros e as ramificações das várias opções de ponte
Tamanho da fonte:

Por Carol Vander Stoep, RDH, BSDH, OMT

O veneno de cobras é um assassino eficiente. Seu turbilhão de proteínas tóxicas age em múltiplas tarefas simultâneas. Algumas paralisam o sistema nervoso da vítima bloqueando as mensagens entre nervos e músculos.

Outras são capazes de redirecionar hormônios mensageiros, dissolver tecidos, ou deixar o sangue tão espesso que os coágulos resultantes podem parar o coração, ou ainda deixa-lo tão fino a ponto de causar hemorragias.

Da mesma maneira, dentes humanos morrendo ou em decomposição podem abrigar agentes tão letais quanto o veneno de cobra, agindo em pelo menos tantos níveis quanto ele, através do seu corpo.

O ataque sofisticado e multifacetado dos micróbios orais, seus resíduos metabólicos, e sua interação com os materiais dos dentes, podem, de maneira similar, dar origem a um colapso do sistema imunológico, que pode se manifestar sob uma infinidade de disfarces. O tratamento de canal é uma aposta que você realmente quer fazer?

Economia versus Saúde: Sempre Tem Um Preço

A complexidade das interações e o tempo que leva até que as toxinas orais expressem sintomas notáveis, comparados com a ação rápida do veneno de cobras, funciona bem para a indústria odontológica e empresas de planos de saúde odontológico, mas não é um bom presságio para você.

As instituições são, por natureza, interessadas no status quo. O modelo de negócios da indústria do seguro não é diferente de outros modelos de negócio – valorizar a receita da empresa acima da sua saúde. Fica por nossa própria conta encontrar as causas principais das doenças.

Somente após o susto do câncer, a exaustão da fatiga crônica, um descarrilamento do sistema nervoso que leva aos tremores do Parkinson, Esclerose Múltipla (MS), ou Paralisia de Bell, ou até mesmo problemas de autoimunidade tais como o lúpus ou esclerose lateral amiotrófica (ELA, doença de Lou Gehrig), é que algumas pessoas tomam a decisão difícil de considerar uma “revisão dentária” para auxiliar na recuperação do seu corpo.

Uma revisão odontológica envolve nada menos que a remoção de todos os possíveis agressores tóxicos de origem bucal – dentes mortos, tecido morto da mandíbula, metais pesados como o mercúrio, níquel e cromo, terapia para doenças na gengiva, e com frequência, a remoção de implantes que bloqueiam meridianos.

Uma revisão odontológica pode parecer uma etapa drástica e cara, mas qual é o custo de uma saúde debilitada para a qual esses problemas contribuem? Você pode fugir para o ar limpo do campo ou para as ondas purificadoras do mar, mas nunca vai escapar do seu próprio ambiente interno.

O que é um Tratamento de Canal?

O tratamento de canal radicular feito em um dente é um procedimento de embalsamamento realizado por dentistas. Os canais radiculares são projetados para manter um dente morto funcionando mecanicamente em um corpo vivo.

Dentes morrem como resultado de traumas (incluindo às vezes, o trauma causado por uma broca em alta velocidade gerando muito calor ou sugando material orgânico dos túbulos microscópicos que ajudam a mantê-lo vivo), ou de invasões microbianas na polpa que nutre cada dente após alguma decomposição ou doenças da gengiva.

Não é mais um grande segredo que os tratamentos de canal abrem caminho para as toxinas metabólicas microbianas. Até mesmo alguns especialistas em tratamentos de canal (endodontistas) estão começando a “assumir” isso. Por exemplo, eles reconhecem que a “osteite condensada” é comum ao redor de um dente que passou por tratamento de canal.

Um Tratamento de Canal é o Melhor Para o Seu Caso?

dente que recebeu o tratamento de canal
A imagem mostra um dente que recebeu o tratamento
de canal ancorando um dos lados de uma ponte,
com um implante ancorando o outro lado.

Sem dúvida, a perda de um dente tem sua carga emocional. Penso que esse seja um dos motivos pelos quais os dentistas se esforçam tanto para aperfeiçoar as técnicas de embalsamento de dentes.

Estude o seu estado de saúde atual, suas prioridades e filosofias, e escolha a melhor solução para você. "Eu fiz três canais? O que faço agora? Todos os canais são tóxicos?" Provavelmente. Eventualmente. Mas as pessoas têm habilidades diferentes para resistir ao estresse das toxinas – e claro, essa habilidade varia com o tempo.

Diagnóstico Adequado é Chave para Tratamentos Imperfeitos de Canal e Cavitações

Como os efeitos sobre a saúde dos tratamentos de canal e das cavitações são similares, e um pode surgir do outro, vou divagar um pouco sobre as cavitações por um momento. A existência de cavitações, também conhecidas como osteonecrose isquêmica (morte dos ossos por falta de suprimento sanguíneo adequado) quando não há dor, e NICO (Neuralgia Induzida por Cavitação Osteonecrótica) quando há dor, parecem estar em pé de igualdade com uma crença religiosa. As cavitações existem ou não?

Parte do problema é que o diagnóstico é difícil. Com raios-x odontológicos tradicionais é tão difícil diagnosticar cavitações com precisão quanto diagnosticar patologias sutis do canal radicular de maneira precisa.

Eles mostram apenas as cavitações mais óbvias. Tomografias computadorizadas são excelentes se não existirem metais na boca do paciente, mas são testes caros e acompanhados pelo preço adicional de uma alta exposição à radiação.

O Lado Obscuro dos Implantes

Talvez você tenha decidido extrair seu dente que passou por um tratamento de canal para manter ou recuperar sua saúde — contrariando o posicionamento estabelecido pela Associação Americana de Endodontistas acima. Você escolhe um dentista holístico que pode te ajudar a evitar as cavitações, e melhorar o seu sistema imunológico.

Como você deve preencher esse espaço? Curiosamente, quanto mais complexa e biologicamente incompatível for sua opção, mais cara ela vai ser. Os custos variam muito, assim como as estimativas de longevidade.

Implantes são basicamente raízes artificiais parafusadas em sua mandíbula, cobertas por um dente artificial ou usados como âncoras para uma ponte ou dentadura parcial. Os implantes estão substituindo os tratamentos de canal porque têm em muitos aspectos a mesma aparência, sensação e funções de um dente natural, e não interferem nas atividades orais normais.

implante de titânio
implante de titânio com coroa

Eles ajudam a manter a massa óssea que normalmente dissolve com o passar do tempo após a extração de um dente. Eles duram muito tempo, e não requerem a abrasão de outros dentes adjacentes, como poderia ser necessário com uma ponte fixa. Mas é preciso lembrar que o sucesso não é medido apenas pela função do dente, mas também levando-se em conta a função dele em seu corpo como um todo.

Aqui estão alguns aspectos importantes dos implantes odontológicos que você deve considerar seriamente antes de tomar a decisão de ir adiante com esse grande investimento. Tecidos inertes não conduzem energia, e por isso os implantes, sejam de titânio ou zircônio, desaceleram o fluxo de energia pelos meridianos.

Seu corpo precisa compensar constantemente por essa desaceleração. Assim como ocorre com os tratamentos de canal, seus órgãos, glândulas ou estruturas anatômicas associadas podem sofrer declínio de funcionalidade como resultado.

A maioria das pessoas com implantes odontológicos também têm outros reparos dentários metálicos presentes, o que apenas agrava o caos energético. De fato, o parafuso do implante e o dente pôntico (o dente substituto) são geralmente feitos de metais diferentes. Esses dois metais não-semelhantes embebidos em um eletrólito (saliva), transformam sua boca efetivamente em uma bateria.

Além disso, se você ainda tem obturações de ouro, mercúrio, cobre, estanho, prata ou coroas à base de níquel em sua boca, elas também contribuem para a geração de correntes elétricas galvânicas.

O Que Você Precisa Saber Sobre os Implantes de Titânio

A maioria dos implantes usados hoje são feitos de titânio. Então quando sua boca funciona como uma bateria devido à presença de metais diferentes, o resultado são correntes galvânicas caóticas que forçam a emissão contínua de íons a partir do titânio ou suas ligas, o que inclui pequenas quantidades de vanádio ou alumínio.

Esses íons metálicos são então transportados pelo seu corpo, durante o dia todo, se conectando com proteínas e isso pode causar estragos na sua saúde. Algumas pessoas são mais suscetíveis que outras às inflamações, alergias e aos problemas de autoimunidade resultantes. Existe um teste de sangue para ajudar a determinar essa sensibilidade.

Os implantes de titânio são certamente conhecidos por suprimir células importantes do sistema imunológico como as células T, glóbulos brancos de importância crítica para o funcionamento do sistema imunológico, e criam estresse oxidante conforme medido por valores de rH2 (uma medida do potencial de oxidação-redução sob um pH específico).

Doenças associadas com implantes não são diferentes daquelas associadas com os tratamentos de canal, e incluem uma série de transtornos autoimunes e neurológicos diferentes, tais como:

Câncer

Esclerose Múltipla (MS)

Doença de Alzheimer

Mal de Parkinson

Síndrome da Fatiga Crônica

Fibromialgia

Outras complicações de ter titânio implantado incluem eczemas faciais ocasionais à medida que sua pele tenta se livrar dos íons de titânio. Implantes dentários também não tem nenhum “selo” de fibras para prevenir a invasão microbiana. Se você tomar a decisão de fazer um implante dentário, é aconselhável usar um fio dental impregnado com óleo ozonizado ao redor da base de cada implante todos os dias.

Alternativas Para os Implantes de Titânio

Implantes de zircônio são uma inovação recente em odontologia e muitos dentistas holísticos usam esses implantes agora. Eles contornam alguns dos problemas com o titânio mencionados acima. Eles ainda bloqueiam o fluxo de energia, mas pelo menos são eletricamente neutros, eliminando o potencial para interferir com seus impulsos cerebrais.

O implante em si não contribui para as correntes eléctricas galvânicas sendo geradas em sua boca. Mas é preciso ser cuidadoso, pois o dente artificial, que é em última instância parafusado no implante de zircônio, pode ter uma base metálica. Os implantes de zircônio também liberam íons, mas em uma taxa bem menor que os implantes de titânio.

Pontes Tradicionais Podem Ser Caras e Relativamente Não-Permanentes

Em primeiro lugar, as pontes não duram tanto assim. Em média uma ponte dura oito anos, com uma amplitude de cinco a 15 anos. Por esse motivo, as “pontes permanentes” não são mais consideradas “permanentes”. Uma ponte tradicional é composta de algumas partes – os dentes artificiais e os abutments.

Os abutments funcionam como pilares que recebem as coroas (tampas) feitas para cobrir os dentes que servirão como âncora. A ponte é presa de maneira permanente na boca cobrindo a extensão necessária para substituir pelo menos um dente.

ponte de cerâmica

Desgastados ou completamente intactos, os dentes que funcionam como pilares em cada lado do espaço ocupado pela ponte são esculpidos de maneira agressiva para aceitar a coroa como cobertura.

Ou talvez eu deva dizer, aceitar a coroa como sufocamento? No meu vídeo acima, usei a analogia de um dente saudável sendo como uma fonte. Uma coroa sufoca o fluxo natural de nutrição, limpeza e hidratação da linfa. O dente não consegue mais “respirar”. Por quê fazer isso com dois dentes em bom estado que não precisam de qualquer cuidado odontológico em prol de um (ou dois) dentes perdidos.

Alguns médicos holísticos acham que essas coroas devem ser removidas periodicamente para que os dentes embaixo possam ser limpos. Se um dos dentes suportando alguma coroa quebrar ou desenvolver decomposição ou danos aos nervos, a ponte e suas três ou mais coroas precisam ser removidas e substituídas.

Como higienista, posso te dizer que a maioria das pessoas tem uma péssima habilidade para manter limpa a região ao redor dos dentes pilares e abaixo do dentes artificiais. As bordas são muito suscetíveis à decomposição. Novamente, aconselho meus clientes a usarem óleo ozonizado ao redor de todas as bordas das coroas como uma precaução extra.

Bons cuidados pessoais são um dos segredos para a longevidade. E de novo, evite fumar!

Considerações Biomiméticas Para Se Levar em Conta

Biomimético significa imitando a natureza. Ao escolher materiais odontológicos, um dentista deve equilibrar a habilidade do sistema imunológico do corpo para ignorar os materiais odontológicos após o reconhecimento, chamado de biocompatibilidade, com a beleza e funcionalidade que seus pacientes exigem. Eles precisam encontrar materiais que se comparam à flexibilidade dos dentes para que possam absorver os estresses de mastigar e apertar diariamente.

Esses materiais devem expandir e contrair na mesma proporção que os dentes naturais fazem quando expostos a flutuações de temperatura na boca, e precisam ser resistentes ao desgaste e à fraturas. Absorventes de impacto podem ser incômodos para as juntas da mandíbula e os ossos que ancoram seus dentes.

Um novo material, DiamondCrown (Coroa de Diamante) poli-cerâmica, chega o mais próximo de atender a todos esses requisitos, e é biocompatível com aproximadamente 80 por cento das pessoas testadas. Novos materiais odontológicos biocompatíveis e biomiméticos vão surgir à medida que esses princípios sejam reconhecidos mais amplamente.

Outros Pontos a Considerar

Seus ossos cranianos (cabeça) se movem de maneira rítmica. Acredita-se que esses movimentos suaves ajudam a drenar os seios paranasais, auxiliam na respiração nasal, e influenciam o sistema nervoso através do movimento do líquido cefalorraquidiano, o fluído que banha seu cérebro e os nervos na sua medula espinhal.

Se você optar por uma ponte permanente, evite a porcelana fundida com metais, já que esses metais contêm níquel. Alguns dentistas vão te garantir que nunca usam metais à base de níquel; pois usam ácido inoxidável! Mas o aço inoxidável contem pelo menos 10 por cento de cromo, vanádio e níquel e/ou manganês. Eu recomendo opções sem nenhum metal!

Ponte Adesiva — Uma Alternativa Mais Barata, Mas Também Não-Permanente

Pontes fixas com resina (pontes Maryland) são opções minimamente invasivas para substituir dentes perdidos em algumas situações. Elas são geralmente consideradas apenas na substituição de dentes anteriores. Design, materiais, habilidade e escolhas do paciente ditam de maneira abrangente a longevidade e a satisfação com a prótese. Felizmente, tanto o design quanto os materiais têm evoluído de maneira significativa.

Ao contrário das pontes tradicionais, as pontes de resina precisam de uma redução bem menor dos dentes pilares usados como suporte. Ao invés disso, o dentista reduz a parte de trás dos dentes vizinhos nos quais as “asas” conectadas ao dente artificial aderem.

Os materiais podem ser resina pura, porcelana, porcelana colada em metal, ou zircônio. A maioria dos médicos ainda produz essas pontes com duas asas, uma de cada lado do dente artificial, embora a literatura médica pareça sugerir que seja melhor ter apenas uma – para ancorar o dente artificial em um dos dentes de suporte.

Curiosamente, isso se deve ao fato de que os ossos cranianos e os dentes se movem e os dentes âncoras não se movem de maneira igual. Isso impõe estresse na área de adesão, o que pode levar a defeitos. E também, como é pouco provável que as mais de uma conexão apresente problema ao mesmo tempo, a perda de adesão geralmente passa despercebida, permitindo que ocorra decomposição por baixo da asa que perdeu adesão ao dente.

substituição do dente alado

Parciais — Sua Opção Menos Cara

Voltando no tempo, parciais removíveis era tudo que a odontologia tinha para oferecer no passado como substituto para dentes perdidos. Nossa cultura atual valoriza uma aparência jovial, então as parciais – associadas aos nossos avós – são uma escolha estética difícil. Entretanto elas podem bem ser a opção que oferece as melhores possibilidades para envelhecer bem. As pontes parciais são projetadas com base em quantos dentes precisam ser substituídos.

Armações de metal foram a norma no passado, mas o futuro pertence aos reparos odontológicos não metálicos. Os novos materiais:

São menos óbvios;

Evitam as características adversas das restaurações metálicas conforme já discutido;

São capazes de distribuir as forças envolvidas na mastigação sobre uma área maior quando comparados com parciais usando armações metálicas, e portanto são mais confortáveis;

Têm substituições ou manutenções menos frequentes;

De acordo com o Teste de Biocompatibilidade Clifford, o Flexite e o Valplast (resinas de nylon leves, flexíveis, mas ainda assim fortes) são biocompatíveis para 99 por cento da população. O Lucitone FRS também é uma resina de nylon similar e biocompatível. Nenhum desses utiliza um metal pesado (cádmio) como corante rosa, algo que acontece com alguns materiais dentários. Muitos pacientes optam por uma armação transparente para evitar qualquer possível reação ao corante. Materiais a base de nylon podem absorver água e com ela, odores e manchas, mas uma boa higiene bucal abranda esse problema;

VisiClear é outro material biocompatível mas sem nylon usado em parciais.

Para os melhores resultados estéticos, biocompatibilidade e funções biomiméticas, escolha DiamondCrown ou dentes de zircônio em suas parciais, ao invés dos dentes de acrílico padrão usados com mais frequência.

Se você precisar adicionar outro dente em qualquer das parciais mencionadas acima, isso também é possível. O laboratório simplesmente reutiliza o dente artificial, o componente mais valioso, e refaz a armação com o novo dente!

design parcial do palato exposto
design de palato exposto internacional para parciais
O design que expõe intencionalmente o palato (céu da boca)
nessa parcial permite que o usuário continue tendo uma boa
postura bucal, o que significa manter a língua adequadamente
em contato com o palato.

Em última instância, encontrar respostas para como manter uma melhor saúde oral, e saúde geral, é um processo que começa na infância e inclui um modelo radicalmente diferente de odontologia e uma nova definição do que é saúde.

Sobre a Autora

Carol Vander Stoep, RDH, BSDH, OMT, é uma defensora de mudanças na odontologia.