Lições de Vida de Pessoas com 100 Anos de Idade ou Mais


(Disponível Apenas em Inglês)
mulher centenaria

Resumo da matéria -

  • Três centenários compartilham suas histórias de vida e compartilham palavras de sabedoria sobre longevidade
  • Embora cada um seja único, eles compartilham uma quantidade impressionante de coragem e resistência emocional
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Idade é apenas um número e isto é claramente evidente nas vidas dos três centenários entrevistados no vídeo LifeHunters (Caçadores de Vida, em tradução livre) acima.

Cada um(a) tem sua própria história — Clifford Crozier, nascido em 1915; Emilia Tereza Harper, nascida em 1913; e John Millington Denerley, nascido em 1914 — porém, você notará um certo “je ne sais quoi” (não sei exatamente o que, em português literal) que todos eles parecem possuir.

Positividade e força são certamente aparentes, juntamente com um desejo de viver e um contínuo interesse e curiosidade sobre o mundo em torno deles.

Mesmo com a mudança dos tempos, estas pessoas continuaram a viver, a adaptar-se e a dar as boas vindas às novas fases de suas vidas. São a coragem e a resistência emocional que provavelmente desempenharam função principal em sua longevidade.

Resistência Emocional e Otimismo Ajudam Você a Manter-se Jovem

Cada um dos centenários no vídeo parece muito mais jovem do que sua idade cronológica e eles certamente não agem de acordo com sua idade (de qualquer forma, quem sabe como uma pessoa com mais de 100 anos de idade deveria agir, certo?). Suas atitudes positivas, sem dúvida nenhuma, ajudam-nos a manter-se jovens e pesquisas realizadas confirmam isso.

Em um estudo realizado com 100 idosos (idade média de 81 anos), aqueles que foram expostos a mensagens explicitamente positivas (palavras como criativo, ágil e em forma) experimentaram ganhos em sua força física.

Isto é evidência de que sua mente verdadeiramente possui poder sobre seu corpo e todos os centenários entrevistados exemplificam isto. Se você acredita que seu corpo e sua mente falharão conforme você envelhece, eles podem certamente seguir o pensamento.

Porém, o oposto também é verdadeiro, especialmente se seu pensamento positivo estiver combinado aos requisitos básicos para uma vida saudável (como boas noites de sono, alimentos frescos e saudáveis e permanecer ativo).

A maioria dos centenários relata sentir-se 20 anos mais jovem do que sua idade cronológica e seu pensamento tem muito a ver com esta auto percepção.

Curiosamente, especialistas também concordam que o uso de biomarcadores aceitáveis para determinar a idade biológica (como pressão arterial, poder muscular, massa esquelética e indicadores de condição física) seria um indicador da expectativa de vida melhor do que a idade cronológica.

Centenários Consomem Alimentos de Verdade

Notavelmente, nenhum dos centenários proclamou a si mesmo um louco pela saúde, porém eles entendem o valor do consumo de alimentos de verdade. Seja como for, não havia outra opção quando eles nasceram. Conforme observado por Harper, ela cresceu consumindo alimentos feitos em casa. O que mais havia?

E, mais que isso, sua família cultivava seu próprio alimento. Tudo que eles consumiam era colhido fresco no quintal de casa, preparado e, então, colocados em seus pratos.

Em 2017, a noção de consumir alimento cultivado e feito em casa tornou-se mais uma inovação do que uma norma para muitas pessoas, porém voltar a esta forma tradicional de consumo é a melhor rota para saúde e longevidade.

O simples ato de consumir alimento integral é tema comum entre os centenários (mesmo que suas dietas não sejam “perfeitas”, como a aparente afeição ocasional de Crozier por uísque).

Emma Morano, que aos 116 anos de idade é a pessoa mais velha do mundo, similarmente compartilhou com a mídia um de seus segredos dietéticos: três ovos (dois deles crus) e carne moída crua diariamente.

Além do que consumir, muitos centenários também mencionaram a importância das variações de jejum intermitente, ou seja, não comer demais, alimentar-se somente uma vez por dia ou, no caso de Morano, fazer apenas um jantar leve.

Em Okinawa, no Japão, que tem uma concentração incomum de pessoas que vivem mais de 100 anos, acredita-se que o “hara hachi bu”, ou seja, alimentar-se somente até que esteja 80 por cento satisfeito, seja um fator importante para a longevidade.

Fortes Relacionamentos, Boas Memórias e Viver o Momento

Outro traço comum entre o trio centenário? Relacionamentos fortes e positivos. Cada um deles falou carinhosamente de seus casamentos que, apesar de seus cônjuges terem falecido há várias décadas, ainda proporcionavam ótimas memórias a eles. Cada um deles ainda foi capaz de olhar suas experiências de vida e relacionamentos com apreciação e gratidão.

Isto, também, é reforçado pela ciência, sendo que pesquisa realizada mostrou que os tipos de relacionamento social que algumas pessoas desfrutam – ou não desfrutam – podem colocá-las em risco de morte prematura. Na verdade, pesquisadores encontraram um aumento de 50 por cento na probabilidade de sobrevivência em participantes com relacionamentos sociais mais fortes.

Harper, em particular, explicou que ela era capaz de viver feliz, porque ela tinha diversas lembranças da vida para apoiar-se. É importante lembrar isto – que experiências tendem a fazer-nos mais felizes do que as posses.

A “novidade” da posse desaparece da mesma forma que ela traz prazer a você, porém experiências melhoram seu senso de vitalidade e de “sentir-se vivo” tanto durante a experiência em si como quando você reflete sobre ela.

Ademais, a maioria dos centenários, independentemente de sua situação de saúde, tende a ter atitude positiva, otimismo e entusiasmo pela vida. No vídeo, você observará que o trio faz referência a viver o momento, viver aquele dia e não se arrepender.

Estas são pessoas que, apesar de terem mais de 100 anos de “passado”, vivem muito mais o presente, sem arrepender-se do que perderam, porém, apreciando tudo o que já viveram (e ainda têm a viver).

Vale também a pena observar que nenhum deles tem planos de partir logo. Cada um diz que se sente forte e espera continuar vivendo cada dia o máximo que podem. Eles são ativos – fisicamente, mentalmente e socialmente. Isto, também, irá somente ajudá-los a permanecer jovens e saudáveis.

Ajudar Outras Pessoas Retornará a Você em Dobro

Harper também falou da importância de ser amável e ajudar pessoas à sua volta. Esta é uma lição de vida que vale a pena aprender, pois fazer o bem ajuda outras pessoas em necessidade enquanto promove aumento de disposição a você.

Fazer trabalhos voluntários pode reduzir os riscos de desenvolvimento de depressão e ansiedade e pode até mesmo aumentar seu bem-estar psicológico. Isto não somente o (a) mantém ativo (a) e em pé, como também possui um aspecto social definido, sendo que ambos contribuem para a felicidade e longevidade.

O trabalho voluntário ajudando outras pessoas também proporciona um senso de propósito e pode até levar à tão conhecida “euforia do assistente”, que pode ocorrer porque fazer o bem libera hormônios do bem-estar como oxitocina no organismo enquanto reduz os níveis de hormônios do estresse, como o cortisol. Traços de personalidade também podem afetar a longevidade, o que pode também estar desempenhando função na vida dos centenários entrevistados.

Possuir um senso de propósito e manter-se produtivo, por exemplo, demonstrou promover a longevidade no Projeto Longevidade (Longevity Project), estudo da Stanford com 80 anos de existência. Consciência, especificamente, foi identificada como marcador da longevidade. O motivo disto, acreditam os pesquisadores, é que o comportamento da consciência influencia outros comportamentos.

Por exemplo, pessoas conscientes tendem a fazer opções mais saudáveis, como evitar fumar e escolher trabalhar em uma função que apreciem e parceiros de vida com os quais tenham afinidade – fatores que podem promover impacto significante no nível de estresse e satisfação geral. Pessoas conscientes também tendem a ser mais produtivas, mesmo passada a idade convencional de aposentadoria, e tendem a considerar seu trabalho como tendo um propósito.

O Projeto Longevidade dispensa a ideia de que trabalhar duro o (a) matará. Pelo contrário, pessoas que se mantêm produtivas e trabalham pesado durante toda sua vida, na verdade, são mais felizes, mais saudáveis e mais sociáveis comparadas a pessoas que não trabalham muito.

“Faça Tudo Certinho Até o Fim da Vida”

O que as palavras de sabedoria dos centenários têm a oferecer para aqueles com menos experiência de vida? “O tempo gasto com reconhecimento é raramente perdido”, diz Crozier. “Seja o mais independente possível, porém não seja relutante em pedir ajuda quando você achar que precisa”.

Harper tem um conselho próprio: “Uma boa ideia é comportar-se bem diante de outras pessoas, mostrar o máximo de respeito a elas, e isto retornará em dobro”.