10 Superalimentos Para a Saúde Digestiva

legumes fermentados

Resumo da matéria -

  • Os alimentos processados podem deixar seu intestino inflamado, permeável e propenso a doenças, enquanto os alimentos integrais possuem propriedades curativas e apoiam a saúde digestiva
  • Para ter uma saúde digestiva otimizada, experimente comer babosa, legumes fermentados, caldo de osso, kefir, sementes de chia, psyllium e muito mais
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

O processo digestivo parece simples superficialmente. Você coloca um alimento em sua boca, mastiga e engole. Então seu corpo decompõe seus alimentos em componentes que seu corpo pode utilizar e absorver. Tudo o que sobra é excretado como dejeto.

Na realidade, contudo, a digestão é um processo complexo que pode ser facilmente afetado por uma série de fatores, de não mastigar seu alimento o suficiente à falta de enzimas, ácido estomacal ou o equilíbrio correto de micróbios para digerir adequadamente seus alimentos e absorver seus nutrientes.

Os alimentos que você come também podem reforçar ou danificar sua saúde digestiva, com alimentos altamente processados, geneticamente modificados (GM) e ricos em açúcar entre os mais danosos. Se a sua dieta é baseada nestes últimos, seu intestino provavelmente está inflamado, possivelmente permeável, e colocando você em risco de problemas de saúde crônicos e agudos.

Purificar sua dieta com os superalimentos digestivos a seguir pode ajudar muito a reparar o dano e curar seu intestino.

10 Superalimentos para a Saúde Digestiva

1. Babosa

O gel fresco de babosa é rico em enzimas e tem propriedades antibacterianas, antifúngicas e antivirais. Também é um poderoso anti-inflamatório, tornando-o útil para acalmar uma série de problemas digestivos.

O suco de babosa pode ser útil para tratar refluxo ácido, por exemplo, mas idealmente ele deve ser feito de babosa cultivada domesticamente com folhas com 18 polegadas (45 cm) de comprimento antes de ser colhida. As espécies que produzem folhas grossas são as melhores.

A babosa também contém grandes quantidades de um polissacarídeo imunoestimulante, especialmente a manose, que demonstrou induzir glóbulos brancos a secretar interferona, fator de necrose tumoral e citoquinas benéficas.

Os benefícios provêm do gel interno da planta, e não da folha externa. O gel interno pode ser combinado com um limão taiti ou limão-siciliano e misturado em um liquidificador manual para torná-lo mais palatável quando se pensa em bebê-lo. Além disso, também identificou-se que a babosa é útil para:

Infecções por Candida

Infecções parasitárias

Prisão de ventre

Úlceras, incluindo as causadas pela bactéria H. pylori

Doença de Crohn, colite e síndrome do intestino irritável (SII)

2. Caldo de Osso

O caldo de osso é usado como o fundamento da dieta GAPs, que se baseia nos princípios da Síndrome Psicológica Intestinal (Gut and Psychology Syndrome-GAPS) desenvolvidos pela Dra. Natasha Campbell-McBride.

Ele forma a base, porque não só ele é muito facilmente digerido, mas também contém importantes componentes que melhoram a imunidade que constituem blocos de construção fundamentais para o tratamento de doenças autoimunes. É incrivelmente curativo para o seu intestino.

A dieta GAPS é frequentemente usada para tratar crianças com autismo e outros distúrbios enraizados na disfunção intestinal, mas quase qualquer pessoa com alergias ou que tem uma saúde intestinal menos que otimizada pode beneficiar-se, uma vez que ela é projetada para curar intestino permeável.

Se o seu intestino é permeável ou é poroso, alimentos, toxinas, vírus, fermentos e bactérias parcialmente não digeridos têm a oportunidade de passar pelo seu intestino e acessar sua corrente sanguínea; isso é conhecido como intestino permeável.

Quando o revestimento intestinal é repetidamente danificado devido à recorrência do intestino permeável, células danificadas chamadas microvilli tornam-se incapazes de fazer seu trabalho corretamente. Elas tornam-se incapazes de processar e utilizar os nutrientes e as enzimas que são vitais para uma digestão correta.

Eventualmente, a digestão é prejudicada e a absorção de nutrientes é afetada negativamente. À medida que mais exposição ocorre, seu corpo inicia um ataque a esses corpos estranhos. Ele responde com inflamação, reações alérgicas e outros sintomas que são relacionados a uma variedade de doenças.

O intestino permeável é a raiz de muitas alergias e distúrbios autoimunes, por exemplo. Quando combinado com uma sobrecarga tóxica, você tem em mãos um cenário que pode levar a distúrbios neurológicos como autismo, TDAH e dificuldades de aprendizagem.

O caldo de osso contém uma variedade de nutrientes valiosos dos quais muitos estadunidenses estão em falta, em uma forma que seu corpo pode facilmente absorver e usar.

Isso inclui a gelatina. A gelatina encontrada no caldo de osso é um colóide hidrofílico. Ela atrai e contém líquidos, incluindo sucos digestivos, apoiando assim uma digestão correta. Além disso, o caldo de osso contém:

Cálcio, fósforo e outros minerais

Componentes de colágeno e cartilagem

Silício e outros minerais

Componentes do osso e medula óssea

Glucosamina e sulfato de condroitina

Os aminoácidos anti-inflamatórios “condicionalmente essenciais” prolina, glicina e glutamina

3. Legumes Fermentados

Outro componente principal do programa GAPS é o consumo diário de alimentos fermentados, particularmente de legumes fermentados como chucrute e kimchi.

Os alimentos fermentados são potentes quelantes (desintoxicantes) e contêm níveis muito mais elevados de bactérias benéficas do que suplementos probióticos, tornando-os ideais para otimizar sua flora intestinal. Os legumes fermentados também contêm altos níveis de antioxidantes e fibras para se ter uma saúde digestiva otimizada.

Apenas de um quarto a meia xícara de legumes fermentados, consumidos com uma a três refeições por dia, pode ter um impacto dramaticamente benéfico na sua saúde digestiva e sua saúde geral.

Se você fermenta seus próprios legumes, considere usar uma cultura especial inicial que foi otimizada com cepas bacterianas que produzem altos níveis de vitamina K2. Esta é uma maneira barata de otimizar seus níveis de K2, que também são cruciais para se ter uma boa saúde.

Se você gosta de alimentos picantes, você também pode dar uma chance ao kimchi. O kimchi é um prato coreano tradicional feito de vegetais fermentados e uma mistura picante de pimentas, alho, cebolas e outros temperos.

É comum encontrar kimchi em quase todas as refeições coreanas, onde ele é servido sozinho como um prato, misturado com arroz ou macarrão, ou usado como ingrediente em sopas ou guisados. É rico em vitaminas A e C, e devido ao seu processo de fermentação também é rico em bactérias de lactobacilos favoráveis ao intestino.

4. Kefir e Kefir de Coco

O kefir (leite fermentado) e o kefir de coco (água de coco fermentada) são mais duas opções para adicionar mais alimentos fermentados à sua dieta. Ambos são ricos em probióticos e enzimas que promovem o equilíbrio bacteriano saudável que é necessário para se ter uma boa saúde intestinal.

O kefir é fácil de fazer em casa usando leite orgânico, cru, de animais alimentados com grama ou água de coco, e conterá muito mais probióticos do que você pode obter na forma de suplementos.

Além dos probióticos benéficos, o kefir tradicionalmente fermentado também contém:

Fermento benéfico

Minerais, como o magnésio

Aminoácidos essenciais (como o triptofano, que é bem conhecido por seu efeito relaxante no sistema nervoso)

Proteínas completas

Cálcio

Vitaminas B1, B2 e biotina (B7)

Vitamina K

Fósforo

Se você não consume produtos lácteos ou está procurando por um sabor diferente, o kefir de coco é uma boa alternativa para apoiar sua saúde intestinal. Conforme observado pelo Epoch Times:

“O kefir de coco aumentará a hidratação e recolonizará o intestino e as membranas mucosas com uma grande variedade de microflora benéfica. Também contém fermentos benéficos que buscam e destroem fermentos patogênicos no corpo (como a Candida), além de ajudar a limpar, fortalecer e purificar as paredes intestinais para que ele possa tornar-se mais resistente a patógenos perigosos como a E. coli, salmonela e parasitas.

O kefir de coco também ajuda a assimilar nutrientes no intestino e aumenta o uso de certos minerais e vitaminas B.”

5. Chá de Semente de Linho

O chá de sementes de linho é simples de fazer ao se derramar 12 onças (354 mL) de água fervente sobre uma colher de sopa de sementes de linho, deixando-a de molho durante a noite (drene as sementes antes de beber).

Esta bebida simples fornece suporte de cura ao colón devido ao seu conteúdo de gorduras ômega-3, fibra solúvel e lignanas, que são anti-inflamatórios e têm um efeito lubrificante. Se você tem síndrome do intestino permeável ou cólon irritável, dê uma chance a este chá.

6. Repolho Vermelho

O repolho vermelho é rico em aminoácidos L-glutamina, que é conhecido por ajudar a curar o tecido mole que reveste seus intestinos. É especialmente útil para pessoas com intestino permeável, colite ulcerativa, doença celíaca, doença de Crohn, e síndrome do cólon irritável.

Você pode comer repolho vermelho cozido no vapor, como um suco ou, talvez o melhor jeito de todos, fermentado, o que adicionará uma abundância de enzimas intestinais e bactérias benéficas à mistura também.

7. Chlorella

A chlorella, algas unicelulares de água doce, é muitas vezes referida como sendo um alimento quase perfeito, com uma ampla gama de benefícios para a saúde. Para começar, ela promove níveis saudáveis de pH no seu intestino, o que, por sua vez, ajuda as boas bactérias a desenvolverem-se.

É também um agente de desintoxicação potente para o mercúrio e outros metais pesados, o que é útil uma vez que um dos sintomas da acumulação de mercúrio é a dificuldade digestiva e uma capacidade reduzida de assimilar e utilizar gorduras adequadamente. A chlorella é mesmo rica em fibras, ajudando a tonificar o revestimento de seus intestinos e a mantê-lo “regular”.

8. Moringa

A moringa, às vezes descrita como a “árvore milagrosa”, tem folhas pequenas e arredondadas que possuem uma incrível quantidade de nutrição: proteína, cálcio, betacaroteno, vitamina C, potássio… Pode chutar um nutriente, a moringa tem dele. Não é de se admirar que ela venha sendo usada medicinalmente (e como fonte de alimento) há pelo menos 4.000 anos.

Do ponto de vista digestivo, a moringa é rica em fibras que, como o Epoch Times relatou, “funciona como um esfregão nos intestinos… para limpar qualquer outro acumulo que sobrasse de uma dieta gordurosa”.

Também são dignos de nota os seus isotiocianatos, que possuem propriedades antibacterianas que podem ajudar a eliminar do seu corpo a H. pylori, uma bactéria relacionada a gastrite, úlceras e câncer gástrico.

9. Psyllium

A quantidade diária recomendada de fibra é de entre 20 e 30 gramas, mas acredito que cerca de 32 gramas por dia são ideais. Infelizmente, a maioria das pessoas recebe apenas metade disso ou menos. Sua melhor fonte de fibra dietética vem de legumes, e a maioria das pessoas simplesmente não está comendo legumes suficientes.

Uma maneira de aumentar facilmente sua ingestão de fibras é adicionar psyllium à sua dieta. Tomá-lo três vezes por dia pode adicionar até 18 gramas de fibra dietética (solúvel e insolúvel) à sua dieta. Além de apoiar uma digestão saudável, fibras solúveis como o psyllium são prebióticos que ajudam a alimentar bactérias benéficas. Estas bactérias benéficas, por sua vez, auxiliam na digestão e absorção de seus alimentos, e desempenham um papel importante na sua função imunológica.

Lembre-se de que o psyllium é uma colheita fortemente pulverizada, o que significa que muitas fontes estão contaminadas com pesticidas, herbicidas e fertilizantes. Por este motivo, certifique-se de usar APENAS uma casca de psyllium orgânica e certifique-se de que seja 100% pura.

Muitas marcas de suplementos utilizam ingredientes ativos sintéticos ou semissintéticos que não contêm psyllium, como metilcelulose e policarbofil de cálcio. Algumas marcas até adicionam adoçantes e outros aditivos, o que é melhor evitar.

10. Sementes de Chia

As sementes de chia contêm cerca de 10 gramas de fibra em apenas duas colheres de sopa e são ricas em fitoquímicos anti-inflamatórios que dão alivio ao sofrimento gastrointestinal. Uma das maiores qualidades das sementes de chia é a facilidade com a qual elas podem ser usadas.

Elas têm um sabor suave que as torna adaptáveis a uma variedade de receitas, e eles são livres de glúten, o que é perfeito para aqueles com doença celíaca, intolerância ao glúten, ou que estão simplesmente tentando evitar o glúten. As sementes de chia podem ser adicionadas a praticamente qualquer prato, desde iogurte cru até compota de maçã e mesmo vitaminas.

Tenha em mente que as sementes de chia ficam com uma textura gelatinosa depois de misturar-se com um líquido, então, se você preferir algo crocante, polvilhe-as por cima antes de comer.

Evite Estes Seis Desastres para a Saúde Intestinal…

Além de saber o que adicionar à sua dieta e estilo de vida para a saúde digestiva, é igualmente importante saber o que evitar, e isso inclui os seguintes. Ao evitar os desastres de saúde intestinal abaixo e fortalecer sua dieta com os superalimentos mencionados acima, você estará firmemente no caminho que leva a uma saúde digestiva e bem-estar otimizados:

Antibióticos, a menos que sejam absolutamente necessários (e quando você os tomar, certifique-se de repovoar seu intestino com alimentos fermentados e/ou um suplemento probiótico)

Carnes de animais criados convencionalmente e outros produtos de origem animal, pois os animais criados em fazendas industriais recebem rotineiramente antibióticos de baixa dose, além de grãos geneticamente modificados, que também foram implicados na destruição da flora intestinal

Alimentos processados (como açúcares em excesso, juntamente com outros nutrientes “mortos”, que alimentam bactérias patogênicas)

Água clorada e/ou fluorada

Sabão antibacteriano

Produtos químicos agrícolas, glifosato (Roundup) em particular