Você Comete Esse Erro Comum Quando seu Filho Está Doente?

Tamanho da fonte:
Menina com Febre

A febre é um dos principais motivos pelos quais os pais ligam para os médicos de seus filhos, e é verdade que qualquer febre em um bebê com menos de três meses é motivo de grande preocupação, pois existe o risco de infecções bacterianas graves. Além disso, uma criança que tenha uma convulsão com febre deve ser examinada por um médico, pelo menos na primeira vez.

No entanto, a febre é realmente um sinal de que um sistema imunológico está funcionando bem e em crianças mais velhas que não pareçam estar particularmente afetadas, a febre é um sinal positivo. É uma prova de que a criança possui um sistema imunológico ativo. A febre não prejudica seu cérebro ou seu corpo, embora ela aumente sua necessidade de líquidos.

Por Dr. Mercola

Está no meio da noite e seu filho acorda com febre. Para muitos pais, esse cenário os leva a ligarem para o médico e a reagir imediatamente para diminuir a febre o mais rápido possível, muitas vezes usando um antipirético (medicamento para a febre).

Mas a febre do seu filho é realmente motivo de preocupação, e baixá-la é a melhor opção?

Na maioria dos casos, uma febre simples é na verdade um sinal de que o sistema imunológico do seu filho está funcionando muito bem. Praticamente todos os animais desenvolvem naturalmente uma febre quando estão lutando contra uma doença bacteriana ou viral, e essa resposta ocorre porque ela melhora a capacidade do seu corpo de livrar-se da doença.

Portanto, em muitos casos, baixar a febre não é apenas desnecessário, mas pode dificultar o processo de recuperação do seu filho, prolongando a doença em vez de resolvê-la mais rapidamente.

Lembre-se de que uma febre não é algo a ser temido. Há boas evidências de que a febre realmente sirva como um estímulo saudável para desenvolver um sistema imunológico forte e, em geral, quanto mais alta a febre, melhor será o estímulo. Algo como levantar pesos já que os pesos mais pesados ​​geralmente produzem um maior crescimento muscular.

A Academia Americana de Pediatria NÃO Recomenda Remédios que Reduzem a Febre

A febre não é uma doença, mas um sinal de que seu corpo está fazendo o que ele tem de fazer para combater a infecção.

A AAP não recomenda tratar seu filho com antipiréticos (medicamentos que reduzem a febre), mesmo estando com temperaturas mais elevadas. Como o site deles afirma:

“As febres geralmente não precisam ser tratadas com medicamentos, a menos que seu filho esteja desconfortável ou tenha um histórico de convulsões febris. A febre pode ser importante para ajudar seu filho a combater a infecção.

Mesmo temperaturas mais altas não são perigosas em si ou significativas, a menos que seu filho tenha um histórico de convulsões ou uma doença crônica. Mesmo que seu filho tenha um histórico de convulsões relacionadas à febre e você trate a febre com medicação, ele ainda poderá ter esse tipo de convulsão… Se ele está comendo e dormindo bem e tem períodos em que está alegre, ele provavelmente não precisa de nenhum tratamento.”

Os Benefícios da Febre

Quando um organismo invade seu corpo, ele desencadeia a liberação de pirogênio, uma substância que sinaliza o hipotálamo do seu cérebro a elevar a temperatura do seu corpo. Isto é feito através de vários mecanismos diferentes, incluindo:

  • Tremor
  • Liberação do hormônio TRH
  • Aumento de sua taxa metabólica
  • Restrição de fluxo sanguíneo para a pele para minimizar a perda de calor
  • Piloeração (elevação dos pelos), que suprime a transpiração (a transpiração é um mecanismo de resfriamento)

A febre, por sua vez, lança uma série de processos benéficos corporais que, direta ou indiretamente, ajudam a repelir a bactéria ou o vírus invasor. Alguns desses benefícios incluem:

Aumento dos anticorpos - células treinadas para atacar especificamente o tipo exato de invasores com os quais seu corpo está sofrendo

Mais glóbulos brancos são produzidos para ajudar a combater a doença

É produzido mais Interferon, uma substância natural antiviral e anticancerígena, que ajuda a bloquear a disseminação de vírus nas células saudáveis

Protege o ferro, do qual as bactérias alimentam-se

Aumento da temperatura, que mata diretamente micróbios (a maioria das bactérias e vírus realmente cresce mais em temperaturas mais baixas que o corpo humano)

Capacidade melhorada de certos glóbulos brancos de destruir bactérias e células infectadas

A febre também prejudica a replicação de muitas bactérias e vírus

É raro que uma febre aumente acima de 104 ou 105°F (40°C ou 40,5°C), e enquanto seu filho não parecer angustiado, não há problema em deixar a febre seguir seu curso. Tenha em mente também que as febres tendem a aumentar no final da tarde e à noite, então um ligeiro aumento da febre durante esse período não é necessariamente um motivo de alarme.

Por que os Medicamentos para Reduzir a Febre são Tipicamente Desnecessários e até Prejudiciais

Como mencionado anteriormente, na maioria dos casos, você deve evitar dar medicamentos que diminuam a febre ao seu filho, pois esses medicamentos normalmente apenas suprimem os mecanismos naturais de cura da febre e prolongam a doença.  

De fato, o artigo Fever in Children -- A Blessing in Disguise (Febre nas Crianças - uma Bênção Disfarçada), originalmente impresso na revista Mothering e que definitivamente vale a pena ser lido se você tem crianças pequenas em casa, lista vários estudos que apoiam o fato de que baixar a febre realmente prolonga a doença:

  • Um estudo feito com adultos com resfriados descobriu que a aspirina e o paracetamol suprimiram a produção de anticorpos e aumentava os sintomas do resfriado, com tendência para uma maior infecciosidade.
  • Em um estudo feito com crianças com catapora, o uso do acetaminofeno prolongou a coceira e o tempo de criação de crostas em comparação com o tratamento com placebo.
  • Em estudos com tubos de ensaio, os níveis terapêuticos de aspirina suprimiram a capacidade dos glóbulos brancos humanos de destruir as bactérias.
  • Outro estudo descobriu que uma série de analgésicos, incluindo a aspirina e o ibuprofeno, inibiram a produção de anticorpos nas células brancas em até 50%.

Esses medicamentos também trazem riscos de efeitos colaterais, incluindo danos ao fígado com acetaminofeno, dor de estômago com Ibuprofeno e síndrome de Reye com aspirina (recomenda-se que crianças e adolescentes com menos de 19 anos não tomem aspirina quando apresentam febre devido à ligação com a síndrome de Reye).

Lembre-se de que o objetivo da febre é estimular o sistema imunológico e criar um ambiente inóspito para os organismos invasores, essencialmente elevando o calor para uma temperatura alta o suficiente para que os micróbios invasores não possam viver. Então, quando você baixa uma febre artificialmente, você está tornando o seu corpo mais hospitaleiro aos patógenos invasores.

Baixar a febre com medicamentos também mascara seus sintomas, o que pode levá-lo a retornar às suas atividades normais antes do necessário, quando seu corpo ainda poderia beneficiar-se de um descanso extra.

Quando uma Febre é Perigosa?

Na maioria dos casos, descanso e muito líquido são tudo o que você precisa quando ocorre uma febre. A febre aumenta a perda de líquidos, por isso é importante dar a seus filhos muito líquido, mesmo que eles não tenham sede, para evitar a desidratação. Há alguns casos, no entanto, em que a febre requer atenção médica.

Isso inclui:

  • Febre em um bebê com menos de três meses (a qualquer temperatura)
  • Febre acima de 102,2°F (39°C) em crianças entre 3 e 36 meses, se elas aparentarem estar doentes
  • Sempre que uma febre aumenta acima de 104,5°F (40,27°C)

Em crianças de cinco anos ou menos, a febre também pode levar a uma convulsão, conhecida como convulsão febril. Embora isso possa ser assustador, normalmente não causará efeitos duradouros. Durante uma convulsão febril, coloque o seu filho de lado ou de barriga para baixo no chão, afrouxe qualquer roupa apertada e apoie a criança para evitar lesões.

Quando a convulsão parar, você deve procurar ajuda médica imediatamente para certificar-se de que a convulsão não foi causada por algo diferente da febre, como meningite ou bactérias no sangue.

Finalmente, lembre-se de que deixar a febre seguir seu curso geralmente é a melhor escolha para ajudar seu filho a combater uma infecção viral ou bacteriana… mas você também deve tomar medidas para reforçar o sistema imunológico do seu filho para evitar patógenos sem nunca precisar de febre em primeiro lugar, usando ferramentas como nutrição correta, exercício, alívio do estresse e sono de alta qualidade.