A Vitamina B3 Poderia Ajudar a Tratar Distúrbios Psicóticos Melhor do que Remédios?

Remédios Antipsicóticos e Crianças

Resumo da matéria -

  • Nos últimos anos, houve um aumento maciço do uso de antipsicóticos sem indicação médica. Embora, a maioria seja aprovada apenas para o tratamento de doenças mentais graves, como a esquizofrenia; agora essa classe de medicamentos está sendo receitada cada vez com mais frequência, para tratar problemas como ansiedade, insônia e problemas comportamentais em crianças
  • O diagnóstico duvidoso de “transtorno bipolar pediátrico” estimulou o uso de remédios antipsicóticos em crianças pequenas. No ano passado, os psiquiatras de Harvard que inventaram o diagnóstico pediátrico bipolar uma década atrás foram disciplinados por conflitos de interesse depois que descobriram que eles receberam milhões de dólares em dinheiro não declarado de companhias farmacêuticas. A investigação também revelou evidências de corrupção comercial da pesquisa produzida por esses psiquiatras
  • Tragicamente, muitos desses medicamentos perigosos podem ser completamente desnecessários, pois a simples e segura correção da deficiência de vitamina B3 pode produzir melhorias dramáticas em muitos pacientes com transtornos psicóticos
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Nos últimos anos, tem havido um aumento maciço no uso de medicamentos sem receita médica de uma classe de medicamentos chamada “niacantipsicóticos atípicos”.

Esses remédios, que incluem Seroquel, Zyprexa, Risperdal e Abilify, só são aprovados para tratar doenças mentais incapacitantes, mas eles têm sido receitados por psiquiatras e médicos de cuidados primários para tratar problemas para os quais eles nunca foram aprovados, como:

  • Ansiedade
  • Transtorno de déficit de atenção
  • Insônia
  • Problemas comportamentais em crianças pequenas e
  • Demência

Os antipsicóticos atípicos possuem um alerta de tarja preta – o rótulo de advertência mais forte possível para remédios – desde 2005, alertando que o uso deles por pacientes idosos com demência aumenta o risco de morte.

De acordo com a Food and Drug Administration dos EUA, os medicamentos antipsicóticos não são indicados para o tratamento de psicose relacionada à demência.

No entanto, muitos médicos ainda estão receitando antipsicóticos para tratar demência.

Uso Indevido de Antipsicóticos Perigosos em Crianças

Alguns antipsicóticos atípicos também foram aprovados para o tratamento da depressão grave.

Esta classe de remédios inclui:

Aripiprazol (Abilify)

Clozapina (Clozaril)

Lurasidona (Latuda)

Olanzapina / Fluoxetina (Symbyax)

Quetiapina (Seroquel)

Maleato de asenapina (Saphris)

Iloperidona (Fanapt)

Olanzapina (Zyprexa)

Paliperidona (Invega)

Risperidona (Risperdal)

Escandalosamente, conforme discutido no artigo publicado no Washington Post, divulgações recentes demonstraram que crianças em um orfanato recebem uma quantidade desproporcional de remédios que alteram a mente. Não só as crianças adotivas recebem mais remédios psicotrópicos do que outras crianças em geral; elas recebem mais remédios do que aquelas com as formas mais graves de doença mental!

Esta é uma verdadeira tragédia, já que essas crianças estão sendo medicadas não por uma necessidade médica, mas principalmente pela conveniência dos cuidadores, e pelo lucro daqueles dentro do “sistema”.

Doença Mental Grave Pode Ser Diagnosticada em Crianças?

Crianças com apenas 18 meses estão recebendo medicamentos antipsicóticos, apesar do fato de que as doenças para as quais eles são desenvolvidos raramente desenvolvem-se antes da adolescência. Então, por que bebês estão recebendo essas drogas potentes?

Infelizmente, uma das principais razões pelas quais esses remédios são usados é seu efeito sedativo. Eles são tipicamente prescritos para controlar comportamentos “desordeiros” – não para tratar doenças mentais graves. Realmente, o diagnóstico duvidoso de “transtorno bipolar pediátrico” é em grande parte responsável pelo aumento do uso de remédios antipsicóticos em crianças pequenas.

É absolutamente incompreensível que tenha havido um aumento tão surpreendente no diagnóstico de doenças mentais infantis. A única explicação racional é uma manipulação desta definição para justificar medicar inapropriadamente nossos filhos.

Um Remédio… Uma Abundância de Efeitos Colaterais…

De acordo com um estudo publicado no ano passado, receitas sem indicação médica para remédios antipsicóticos dobraram entre 1995 e 2008, de 4,4 milhões para surpreendentes 9 milhões de receitas. Em 2008, estima-se que USD 6 bilhões foram gastos em antipsicóticos sem indicação médica nos EUA, dos quais USD 5,4 bilhões para usos baseados em evidências incertas!

Tomar um medicamento antipsicótico para tratar, digamos, a insônia, é como usar uma bazuca para livrar-se de um mosquito. É um exagero do mais alto nível, ou, como cita a Dra. Adriane Fugh-Berman, no artigo em destaque: “É um total ultraje”.

Infelizmente, uma publicidade implacável ajudou a “normalizar” esses remédios, então as pessoas não pensam muito antes de tomar um deles. Tome Abilify (aripiprazol), por exemplo. Ele é licenciado para o tratamento do transtorno bipolar, esquizofrenia, autismo, bem como transtorno depressivo maior quando tomado com antidepressivos. Ou seja, ele é usado para aumentar os efeitos dos antidepressivos.

Isso porque, é claro, os antidepressivos também não funcionam como anunciado. Numerosos estudos demonstraram que os antidepressivos não são mais eficazes do que uma pílula de açúcar…

O Abilify é um exemplo perfeito de como a polifarmácia está espalhando-se e aumentando.

A palavra “polifarmácia” significa “muitos remédios” e refere-se essencialmente a casos nos quais um indivíduo está tomando medicamentos em excesso – seja porque mais medicamentos são receitados do que clinicamente indicados, ou quando um grande número de comprimidos simplesmente torna-se um fardo para o paciente.

Essa situação costumava ser uma preocupação primordial para idosos, que geralmente tomam mais remédios do que os mais jovens. Mas ao longo dos últimos anos, até mesmo crianças de até três anos estão cada vez mais recebendo receitas para quatro ou mais remédios! Esse é um problema significativo, pois quanto mais remédios você misturar, maiores serão as chances de sofrer sérios efeitos colaterais.

As pessoas (de todas as idades) que consomem remédios psiquiátricos parecem estar particularmente propensas à polifarmácia, o que é particularmente perturbador, pois todos e cada um destes remédios são bastante potentes e potencialmente perigosos quando tomadas sozinhos. O Abilify, por exemplo, possui impressionantes 75 efeitos colaterais diferentes associados a ele, incluindo:

Tireóide baixa (hipotireoidismo) ou tireóide alta (hipertireoidismo)

Doença do refluxo gastroesofágico (DRGE)

Síndrome do Intestino Irritável (SII)

Cálculos biliares e pedras nos rins

Infecções fúngicas

Artrite

Síndrome do túnel do carpo

Impotência

Antipsicóticos: Superutilizados, Superfaturados, Sobrevendidos

Segundo Sandra B. Goodman, autora do artigo em destaque:

“Os antipsicóticos são superutilizados, superfaturados, sobrevendidos”, disse Allen Frances, ex-presidente de psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade Duke, que chefiou a força-tarefa que escreveu o DSM-IV, a bíblia de diagnóstico da psiquiatria.

Embora o uso criterioso de remédios sem indicação médica possa ser apropriado para aqueles que não responderam a outros tratamentos para, digamos, transtorno obsessivo-compulsivo severo, Frances disse que os remédios, que são projetadas para acalmar pacientes e moderar as alucinações e delírios de psicose, estão sendo usados ‘promiscuamente, imprudentemente’, muitas vezes para controlar o comportamento e com pouca consideração por seus efeitos colaterais graves.

Os médicos têm permissão para receitar medicamentos para usos não aprovados, mas as empresas estão proibidas de promovê-los para tais fins.

Nos últimos anos, grandes laboratórios farmacêuticos pagaram mais de USD 2 bilhões para acionar processos movidos por estados e pelo governo federal alegando publicidade ilegal; alguns casos ainda estão sendo julgados, assim como milhares de processos feitos por pacientes.

Em 2009, a Eli Lilly and Co. pagou ao governo federal USD 1,4 bilhão para regularizar as acusações de que ela comercializava ilegalmente o Zyprexa através, entre outras coisas, de uma campanha ‘5 as 5’ que instigava asilos a administrar 5 miligramas do remédio às 5 da tarde para induzir o sono.”

Quem Decide o que é uma Doença Mental?

A psiquiatria moderna expandiu seu alcance ao ponto de que até mesmo a mais normal das emoções e estados mentais agora se enquadrem na classificação de um “distúrbio” ou outro. Eles conseguiram definir habilmente as doenças mentais com o uso do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders -DSM).

Este livro é criado por membros da Associação Americana de Psiquiatria (American Psychiatric Association). Você pensaria que as doenças são colocadas neste livro depois da avaliação de exames científicos cuidadosamente executados, mas nada poderia estar mais longe de ser verdade. Adições e alterações a este manual são determinadas por votos de seus membros.

Esta categorização NÃO é baseada na ciência! Está bem documentado que os remédios psiquiátricos em geral e os antipsicóticos atípicos, especificamente, são mal utilizados em todos os sentidos. O uso excessivo e o uso indevido desses medicamentos cobram um preço muito alto – sua saúde.

Se você enquadra-se na categoria daqueles que receberam uma receita errada para um remédio psiquiátrico – o que atualmente é mais a norma do que a exceção – por favor, entenda que existem opções muito melhores e mais seguras.

E para aqueles de vocês que estão tomando um medicamento adequadamente receitado, com base no diagnóstico apropriado de uma doença mental, apenas estejam cientes de quais são os possíveis efeitos colaterais, para que você possa evitar doenças mais sérias.

Ao fazer mudanças importantes no estilo de vida, você pode ser capaz de neutralizar alguns dos efeitos colaterais mais devastadores, permitindo que você mantenha uma saúde melhor…

Desafios da Vida Normal São Agora Problemas Médicos

De acordo com o artigo em destaque do Washington Post:

“Wayne Blackmon, um psiquiatra e advogado que leciona na Faculdade de Direito da Universidade George Washington, disse que geralmente vê pacientes tomando mais de um antipsicótico, o que aumenta o risco de efeitos colaterais. Blackmon os considera os ‘remédios do dia’, muitas vezes receitados para ‘problemas da vida’.

De alguma forma, os médicos entenderam que este é um uso aceitável. Os médicos, disse ele, têm um incentivo financeiro para receitar medicamentos, amplamente considerados como sendo uma solução muito mais rápida do que uma avaliação que requer muito tempo e tratamentos sem remédios, como a terapia comportamental, que pode não estar coberta pelo seguro.”

Infelizmente, você não pode receitar um remédio a menos que as pessoas acreditem que possam ter uma doença. No coração do problema está o DSM-IV (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais), e sua série de doenças recém-criadas para requerer tratamento médico (isto é, de remédios).

O dilema central é que muitos dos “distúrbios” podem se aplicar a quase qualquer um de nós em um momento ou outro, portanto, qualquer um de nós, ou TODOS nós, pode em algum momento justificar tomar uma droga potente. A prática de inventar sistematicamente doenças ou exagerar naquelas menores para vender mais produtos tem, na verdade, um nome.

Chama-se mercantilização da doença, e é uma ferramenta bem estabelecida entre as empresas farmacêuticas. E por mais irracional que pareça, qualquer um dos “distúrbios” a seguir pode ser “tratado” por um remédio:

  • Você às vezes é tímido? Então você pode ter “Fobia Social”.
  • Você anda se perguntando sobre coisas mais profundas, como o significado da vida? Então você tem um “Problema Religioso ou Espiritual”.
  • Você discute com seu irmão ou irmã? Então isso é um “Problema Relacional Entre Irmãos”.
  • Seu filho discute com adultos, perde a paciência ou incomoda as pessoas? Então ele tem “Transtorno Desafiador Opositivo”.
  • Se você ou seu filho adolescente estiverem incertos sobre o caminho a seguir na vida, quais são seus valores ou objetivos profissionais, provavelmente você tem um “Problema De Identidade”.

A Medicação de Nossos Filhos

Já é ruim o suficiente receitar remédios psicotrópicos perigosos para adultos, mas algumas das pessoas mais visadas mal deixaram de usar fraldas. Somente em 2007, meio milhão de crianças e adolescentes receberam pelo menos uma receita para um antipsicótico, incluindo 20.500 com menos de 6 anos de idade.

As crianças nos EUA são as crianças mais medicadas do mundo. Por exemplo, elas recebem três vezes mais receitas de antidepressivos e estimulantes e até o dobro da quantidade de remédios antipsicóticos do que crianças na Alemanha e Holanda.

Como podemos, como sociedade, continuar permitindo que os lucros das empresas tenham uma prioridade maior do que as vidas, e até mesmo do que as vidas das crianças? E por que é que tão poucas pessoas estão dispostas a intensificar e realmente expor a corrupção de uma vez por todas?

Se você ou seu filho está sofrendo de um problema emocional ou mental, por favor, procure ajuda, mas faça isso com alguém que não considere remédios psicotrópicos como a primeira linha de defesa. Será muito útil se você primeiro otimizar a dieta ou o estilo de vida seu ou do seu filho, pois isso aumentará significativamente a probabilidade de qualquer intervenção natural bem-sucedida.

Um bom ponto de partida seria meu plano de saúde abrangente que é gratuito para visualização (disponível apenas em inglês). Há também muitas ferramentas maravilhosas para resolver seus problemas emocionais. Um dos meus favoritos são as Técnicas de Libertação Emocional (EFT).

Uma Vitamina Poderia Realmente Ajudar a Tratar a Psicose?

Eu irei entrevistar o Dr. Andrew Saul sobre seu novo livro, Niacin: The Real Story: Learn about the Wonderful Healing Properties of Niacin (Niacina: A História Real: Aprenda sobre as maravilhosas propriedades curativas da niacina).

Ele coescreveu o livro com o Dr. Abram Hoffer, que publicou mais de 600 relatórios e artigos, além de 30 livros. Seus primeiros trabalhos levaram ao uso de niacina para a esquizofrenia e como um tratamento para o colesterol.

O Dr. Hoffer morreu em 2009 aos 91 anos de idade, mas tratou com sucesso muitos milhares de pacientes com altas doses de niacina para tratar transtornos psicóticos. Ele apresentou algumas evidências muito convincentes para apoiar o tratamento da maioria dos transtornos psicóticos como uma deficiência de vitamina B3.

Considerando que é muito barato e praticamente não tem efeitos colaterais perigosos, certamente valeria a pena levar isso consideração para quem tem um membro da família com este problema de saúde mental. Eu também recomendo adquirir este livro de USD 12,00 na Amazon e aprender mais sobre seu uso.