Causas e tratamentos para a vertigem

vertigem

Resumo da matéria -

  • Vertigem é uma forma de tontura que te faz sentir como se estivesse em movimento ou girando mesmo quando você está parado. Ela é um sintoma de uma condição subjacente que envolve seu ouvido interno (vertigem periférica) ou o seu sistema nervoso central (vertigem central)
  • A causa mais comum de vertigem periférica é a vertigem posicional paroxística benigna, que ocorre quando os depósitos cristalinos no seu ouvido interno se deslocam e acabam se movendo para o seu canal auditivo. À medida que você se move, esses cristais acabam causando distúrbios no fluxo de fluídos, confundindo seus órgãos responsáveis pelo equilíbrio, o que resulta em tontura
  • Outras enfermidades que podem contribuir para a vertigem periférica incluem a doença de Ménière (produção anormal de fluídos dentro do ouvido interno), inflamações do ouvido interno e neurite acústica (tumor não-maligno no nervo craniano do ouvido interno)
  • As causas subjacentes comuns para a vertigem central incluem traumatismos cranioencefálicos ou concussões, derrame cerebral, esclerose múltipla, tumores no cérebro ou na medula espinhal, e enxaquecas vestibulares
  • Estratégias de tratamento tradicionais e alternativas para a vertigem são abordadas, incluindo opções de auto-tratamento em casa e suplementos e óleos essenciais úteis
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Vertigem é uma forma de tontura que te faz sentir como se estivesse em movimento ou girando mesmo quando você está parado. Como ressaltado pelo Serviço Nacional de Saúde da Inglaterra, a vertigem é um sintoma de alguma condição subjacente envolvendo seu ouvido interno (vertigem periférica) ou o seu sistema nervoso central (vertigem central), e ela mesma não é uma condição de saúde por si só.

Em casos graves de vertigem, você pode se encontrar com dificuldades para manter o equilíbrio por tempo suficiente para concluir tarefas cotidianas. Ela também pode ser acompanhada por outros sintomas, como náusea, vômito, movimentos anormais dos olhos, dor de cabeça, suor, zumbido no ouvido, visão dupla e falta de coordenação.

Causas subjacentes comuns da vertigem periférica

Embora o seu meato auditivo externo, o tímpano, o ouvido médio e a cóclea estejam envolvidos na transmissão e interpretação de sons, o seu sistema vestibular não está diretamente envolvido na audição.

Os órgãos de equilíbrio no seu ouvido interno agem como um giroscópio que envia mensagens ao cérebro sobre a posição do seu corpo no espaço, e coordena com o cérebro para manter seu corpo em equilíbrio quando você se move. Enfermidades que podem contribuir para a vertigem periférica, onde o problema tem origem no seu ouvido interno, incluem:

  • Vertigem posicional paroxística benigna (VPPB) — Uma das formas mais comuns de vertigem periférica, a VPPB ocorre quando os depósitos de cristais no seu sistema vestibular se deslocam e acabam se movendo para dentro dos canais semicirculares. À medida que você se move, os cristais causam distúrbios no fluxo de fluídos, confundido seus órgãos responsáveis pelo equilíbrio, o que resulta em tontura.
  • Doença de Ménière — Caracterizada por uma produção anormal de fluído dentro do ouvido interno, causando o aumento da pressão interna e resultando em vertigem. Sua audição também pode ser afetada.
  • Labirintite — Essa condição é definida principalmente pela inflamação do labirinto no seu ouvido interno, causada por uma infecção viral. Como o labirinto contém ambos, os órgãos de equilíbrio e de audição, você pode sofrer com a vertigem e também com problemas de audição.
  • Neurite vestibular — Similar à labirintite, a neurite vestibular se refere à uma infecção do ouvido interno, afetando, nesse caso, os nervos que conectam seu ouvido interno ao cérebro, e causando distúrbios no fluxo normal das informações sensoriais.
  • Neuroma acústico — Um neuroma acústico ocorre quando um tumor não-maligno se desenvolve no nervo craniano do seu ouvido interno. À medida que o tumor fica maior, ele faz pressão contra os nervos adjacentes, causando vertigem, perda de audição, dores de cabeça e até dormência dos músculos faciais.

Causas subjacentes comuns da vertigem central

Seu sistema nervoso central (SNC, que inclui o seu cérebro e sua medula espinhal) é responsável por controlar seus movimentos musculares e a transmissão de estímulos sensoriais para o cérebro. Na vertigem central, danos ou disfunções no seu cerebelo, o centro de equilíbrio do seu cérebro, tendem a participar do jogo. As causas subjacentes comuns da vertigem central incluem:

  • Traumatismo cranioencefálico (TCE) ou concussão — A vertigem é um sintoma comum após uma concussão ou TCE.
  • Derrame Cerebral — Como mencionado em um estudo de 2014 no periódico Neurology, mesmo um pequeno acidente vascular cerebral, se tiver algum efeito sobre as projeções do seu vestíbulo central, pode causar vertigem grave.
  • Esclerose múltipla (EM) — A EM é uma condição que causa inflamação na sua mielina, a camada protetora das suas células nervosas, levando seu corpo a apresentar problemas de coordenação motora e para manter o equilíbrio, o que pode levar à vertigem.
  • Enxaquecas vestibulares — A enxaqueca conhecida como enxaqueca vestibular, que ao contrário das enxaquecas tradicionais nem sempre apresenta dores de cabeça terríveis, pode causar vertigem, acompanhada de vômito e náusea.
  • Tumores cerebrais e/ou na medula espinhal

A conexão entre o estresse, a ansiedade e a vertigem

Além dessas condições subjacentes mencionadas, o estresse e a ansiedade também podem ter seu papel. Pesquisas têm demonstrado que pessoas sofrendo com vertigem relacionada à doença de Ménière e/ou enxaquecas também apresentam taxas maiores de ansiedade do que as pessoas com outras formas de vertigem.

Por outro lado, a ansiedade e o estresse também podem, por si só, causar tonturas.

Fisioterapia para vertigem relacionada à VPPB

Para determinar que tipo de tratamento você pode precisar, é importante identificar a causa subjacente. Como você pode imaginar, o tratamento para a vertigem periférica vai ser diferente do usado para a vertigem central, já que o problema tem origem em uma área completamente diferente do seu corpo (os ouvidos, em oposição ao SNC).

A maioria dos casos de vertigem se resolvem sozinhos espontaneamente em um curto período de tempo, mas se o problema persistir por dias ou se mostrar um sintoma crônico, procure ajuda médica. No caso da VPPB, é recomendado fazer fisioterapia.

Um fisioterapeuta vai realizar uma série de movimentos com sua cabeça a fim de mudar os depósitos de cristais no seu ouvido interno para uma localização que não influencie o seu equilíbrio. Existem diversos procedimentos diferentes para o reposicionamento de partículas que podem atingir esse objetivo, incluindo as manobras de Epley, Semont, Foster e Brandt-Daroff.

Em casos leves e temporários, você também pode tentar isso em casa para aliviar os sintomas. Como detalhado no WebMD, a manobra de Epley é realizada da seguinte maneira:

  • Sente na beirada da sua cama, gire sua cabeça 45 graus em direção ao lado que está te causando vertigem. Coloque um travesseiro na cama de maneira que quando você se deitar, ele fique posicionado no centro das suas costas, entre as suas omoplatas, e não logo embaixo da cabeça.
  • Deite-se rapidamente com as costas sobre o travesseiro, mantendo a inclinação de 45 graus da cabeça. Certifique-se de que o travesseiro está entre as suas omoplatas no centro das costas, para que sua cabeça esteja pendendo ligeiramente para trás e para o lado. Fique nessa posição até que a vertigem pare, o que leva tipicamente em torno de 30 segundos.
  • Vire sua cabeça até o meio do caminho do lado oposto (90 graus a partir da posição original) sem levantá-la. Aguarde mais 30 segundos.
  • Vire a cabeça e todo o corpo para o lado oposto, de bruços, de modo que você esteja olhando para baixo, em direção ao chão. Aguarde 30 segundos.
  • Sente-se lentamente. Evite ficar de pé até que, ou a menos que, a vertigem já tenha passado.

Algumas pessoas acham a manobra de Foster mais fácil de realizar, já que não é preciso deitar na cama. Aqui está o resumo:

  • Ajoelhado de quatro, levante sua cabeça e olhe para o teto por alguns segundos.
  • Encolha o queixo em direção aos joelhos, deixando o topo da sua cabeça repousar no chão. Espere até a vertigem passar, o que tipicamente leva em torno de 30 segundos.
  • Gire a cabeça mais ou menos 45 graus em direção ao lado que está te causando vertigem. Aguarde 30 segundos.
  • Levante rapidamente de volta à posição de quatro para que sua cabeça fique alinhada com suas costas (posição de tampo de mesa), mantendo a cabeça com a mesma inclinação de 45 graus em direção ao lado afetado. Aguarde 30 segundos.
  • Sente-se rapidamente com as costas retas, mantendo a inclinação de 45 graus da cabeça em direção ao lado afetado, e depois levante-se lentamente, ficando de pé e retornando a cabeça para a posição normal. Se necessário, repita essa sequência de movimentos após descansar por 15 minutos.

Você também encontra instruções para outro procedimento similar para reposicionamento de partículas, acompanhado de ilustrações demonstrando as posições do corpo, no website da Clínica Cleveland.

Outros tratamentos tradicionais para a vertigem

Se uma infecção do ouvido interno for a causa, o tratamento precisará abordar essa infecção. Como a maioria das infecções do ouvido interno são causadas por vírus e não bactérias, normalmente não é recomendado o uso de antibióticos, já que eles não agem sobre os vírus.

Contudo, diversos remédios naturais podem ser úteis, como o alho, óleo de coco ou cebolas. Para instruções de como usá-los, e outros métodos de tratamento a se considerar, veja "Como Tratar Infecções do Ouvido Com Eficácia".

De maneira similar, com a vertigem associada a um TCE, pode ser necessário procurar um tratamento para a concussão (veja "O Manual de Reparos da Concussão"), e se a vertigem estiver relacionada com um acidente vascular cerebral, pode ser necessário procurar por reabilitação após o derrame (veja "Como Otimizar Sua Recuperação Após Um Derrame Cerebral").

Naturalmente, em casos onde a vertigem é causada por alguma doença crônica mais grave, tal como a EM ou por tumores, será necessário que o tratamento também aborde essas condições.

O mesmo vale para vertigens causadas por ansiedade e/ou estresse, em cujos casos uma terapia cognitiva-comportamental pode ser útil. Se a sua vertigem é causada por algum transtorno vestibular ou de equilíbrio com origem em seu SNC, pode ser recomendado fazer terapia de reabilitação vestibular. Como explicado pelo Vestibular.org:

"[A]pós os danos ao sistema vestibular, as pessoas podem se sentir melhores e funcionamento normal pode retornar através da compensação. Isso ocorre porque o cérebro aprende a usar outros sentidos (visão e somatossensorial, ex.: os sentidos do corpo) para substituir a deficiência do sistema vestibular."

Tratamentos caseiros para a vertigem

Em casa, as seguintes estratégias podem oferecer alívio para a vertigem:

Realize as manobras de Epley ou Foster (leia as instruções acima).

Durma com a cabeça ligeiramente mais alta.

Depois de acordar, saia da cama com movimentos lentos, e sente-se na beirada da cama por um minuto antes de ficar de pé.

Evite se dobrar para pegar objetos que estão em posições mais baixas.

Evite movimentos que envolvem estender o pescoço, como se esticar para pegar algo em um estante alta.

Evite movimentos rápidos com a cabeça durante as tarefas diárias.

Faça treinamento de habituação, ex.: realizar exercícios que tipicamente disparam a vertigem para treinar seu cérebro a se adaptar a ela, reduzindo assim os sintomas. Certifique-se de estar em lugares seguros e tenha o suporte necessário para evitar quedas.

Faça treinamento de ritmo, ex.: realizar tarefas que disparam a vertigem associada com ansiedade ou estresse. Como explicado pela Academy of Neurologic Physical Therapy, "Ritmo é fazer em pequenas doses atividades que provocam os sintomas, com descanso entre cada atividade, para que os sintomas não saiam do controle. Ao entender ... quais situações ou movimentos podem causar seus sintomas, você vai aprender a gerenciar bem melhor a sua situação."

Suplementos que ajudam no alívio da vertigem

Certos suplementos e óleos essenciais também podem ser úteis para combater a vertigem e tontura generalizada, incluindo:

Ginkgo biloba — Essa erva chinesa é comumente usada no tratamento da vertigem, já que ajuda a regular o fluxo de sangue para o seu cérebro. De acordo com um estudo, o ginkgo biloba é tão eficiente quanto o medicamento betaistina.

Chá de gengibre — O gengibre, um remédio popular com uma longa história de uso no tratamento de náusea e enjôos causados por movimentos, também pode aliviar a vertigem.

Moxabustão com gengibre — Em um estudo, a moxabustão com particionamento de gengibre no ponto de acupuntura conhecido como Tinggong (SI 19) mostrou-se mais eficiente para melhorar os sintomas da vertigem do que os procedimentos de reposicionamento de partículas.

A moxabustão com particionamento de gengibre envolve colocar uma fatia fina de gengibre crua na pele (no local adequado do ponto de acupuntura) e depois colocar uma peça quente de moxabustão por cima. Esse tratamento requer uma visita a um acupunturista qualificado, a menos que você tenha o treinamento médico necessário para fazê-lo você mesmo.

Magnésio — Garantir que você está consumindo uma quantidade suficiente de magnésio, seja através da sua alimentação ou com suplementos, pode ajudar a aliviar a vertigem. De acordo com o site Vertigotreatment.org, transtornos vestibulares são raros em "partes do mundo onde a dieta contém grandes quantidades de magnésio".

Você pode encontrar mais informações sobre a "dieta da vertigem", usada no tratamento da doença de Ménière e enxaquecas vestibulares, em vertigotreatment.org.

Água — Até mesmo um desidratação leve pode causar vertigem, portanto certifique-se de se manter bem hidratado, bebendo bastante água pura e limpa.

Vinagre de maçã e mel — Um remédio caseiro simples que pode ajudar a prevenir e tratar a vertigem é feito com duas partes de mel natural e uma parte de vinagre de maçã. Mexa e beba de uma vez como uma dose de bebida.

Óleos essenciais — Óleos essenciais conhecidos por agir sobre a náusea e tontura associadas com a vertigem incluem os óleos de hortelã, gengibre, lavanda e limão.