Compostos Derivados da Uva Ajudam no Combate à Depressão

Uvas

Resumo da matéria -

  • Preparado de polifenol produzido com suco de uva Concord, extrato de semente de uva e transresveratrol demonstrou ser promissor para o tratamento da depressão
  • Dois fitoquímicos em particular – o ácido di-hidraicoico (DHCA) e a malvidina-3'-O-glicosídeo (Mal-gluc) - parecem ser os responsáveis pelos efeitos benéficos
  • Compostos derivados da uva visam as vias celulares e moleculares associadas à inflamação enquanto modulam a plasticidade sináptica, associada à depressão
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Um preparado de polifenol produzido com suco de uva Concord, extrato de semente de uva e transresveratrol demonstrou ser promissor para o tratamento da depressão, de acordo com um estudo realizado com animais pela Faculdade de Medicina Icahn no Hospital Monte Sinai.

Dois fitoquímicos em particular - o ácido di-hidrocaico (DHCA) e a malvidina-3'-O-glicosídeo (Mal-gluc) - parecem ser os responsáveis ​​pelos efeitos benéficos, que incluem modulação da inflamação e plasticidade sináptica, aumentando a resiliência contra a depressão induzida pelo estresse em ratos.

Pesquisas anteriores concluíram que uma única dose de resveratrol pode melhorar o fluxo sanguíneo para o cérebro e pode melhorar vários aspectos da função cerebral, incluindo inflamação reduzida que pode estender-se à proteção contra depressão.

O estudo apresentado revelou que os compostos derivados da uva têm como alvo as vias celulares e moleculares associadas à inflamação, enquanto modulam a plasticidade sináptica, cujas alterações foram associadas à depressão.

Concluiu-se que o DHCA reduz um composto pró-inflamatório chamado interleucina 6 (IL-6), enquanto que a Mal-gluc modula a plasticidade sináptica, função cerebral fundamental que controla sua capacidade de sentir e armazenar informações complexas e responder a estímulos externos.

Com o estresse crônico (ou estresse traumático agudo) agindo como fator mais significativo na suscetibilidade de uma pessoa à depressão, o fato de que o preparado especial de uva promoveu a resiliência contra o estresse em ratos, também foi altamente notável. O autor do estudo, Dr. Giulio Maria Pasinetti, professor de neurologia, informou em um comunicado de imprensa:

"Nossa abordagem em usar um tratamento combinado de DHCA e Mal-gluc para inibir simultaneamente a inflamação periférica e modular a plasticidade sináptica no cérebro funciona sinergicamente para otimizar a resiliência contra fenótipos semelhantes à depressão induzida por estresse crônico…

A descoberta desses novos compostos naturais de polifenois derivados de uva, que têm como alvo as vias celulares e moleculares associadas à inflamação, pode oferecer uma maneira eficaz de tratar um subconjunto de pessoas com depressão e ansiedade, doença que afeta tantas pessoas."

Porque os Tratamentos Convencionais para a Depressão Costumam Falhar

Quase 7 por cento dos adultos em paises desenvolvidos sofreram de um episódio depressivo no ano passado, enquanto, que em todo o mundo, 350 milhões de pessoas sofrem de depressão, o que a torna uma das principais causas de incapacitação.

Apesar disso, apenas cerca de um terço dos americanos com depressão recebem tratamento, o que deixa dois terços restantes sem tratamento, ficando então em maior risco de suicídio e com uma qualidade de vida pior.

No entanto, existem grandes problemas com os tratamentos convencionais para depressão, que geralmente concentram-se no uso de antidepressivos. Para começar, os efeitos colaterais podem ser sérios.

Usuários de antidepressivos têm um risco aumentado de desenvolver diabetes tipo 2, mesmo após o ajuste de outros fatores de risco, como índice de massa corporal (IMC). O uso de antidepressivos também foi associado ao espessamento das artérias, o que poderia contribuir para o risco de desenvolvimento de doenças cardíacas e acidentes vasculares cerebrais, além de um aumento do risco de ataque cardíaco e, ironicamente, de pensamentos suicidas.

Medicamentos também estão associados à demência, sendo que pesquisadores notando que “o tratamento com ISRSs, inibidores da MAO, antidepressivos heterocíclicos e outros antidepressivos foi associado a um risco elevado de demência”, e, à medida que a dose aumenta, também aumentam os riscos.

É importante ressaltar que os medicamentos também são conhecidos por esgotar vários nutrientes do seu organismo, incluindo a coenzima Q10 e vitamina B12 - no caso dos antidepressivos tricíclicos - que são necessários para a função mitocondrial. Os ISRSs podem esgotar o iodo e o folato.

É importante ressaltar que estudos mostraram repetidamente que os antidepressivos não funcionam melhor do que um placebo para o tratamento da depressão leve a moderada.

De fato, Irving Kirsch, diretor associado do Programa de Estudos de Placebo da Faculdade de Medicina de Harvard, realizou metanálises de antidepressivos em comparação com placebos e concluiu que praticamente não há diferença em eficácia, observando que “a diferença é tão pequena que não possui nenhuma importância clínica.”

O que é diferente, no entanto, é o potencial de efeitos colaterais, que é muito maior entre os antidepressivos do que entre os placebos. Sem mencionar que a crença generalizada de que a depressão é devida a baixos níveis de serotonina ou outras substâncias químicas no cérebro é apenas uma teoria - que tem sido amplamente desacreditada.

No entanto, antidepressivos que visam a teoria do desequilíbrio químico continuam a ser o tratamento para esta doença. Como os pesquisadores de compostos de uva escreveram na Nature Communications:

“Os tratamentos atualmente disponíveis para o distúrbio depressivo maior (DDM) visam principalmente mecanismos neuroquímicos ou neurobiológicos. Tratamentos farmacológicos convencionais produzem remissão temporária em <50 por cento dos pacientes. Assim, há uma necessidade urgente de um espectro mais amplo de novas terapias que visam mecanismos de doenças subjacentes recentemente descobertos.”

Diversos Destruidores da Depressão Possivelmente Residem na Natureza

Como mencionado, o composto da uva resveratrol, também encontrado em framboesas, amoras e outras bagas escuras, romãs, vinho tinto e chocolate amargo, já demonstrou promover efeitos antidepressivos em camundongos e ratos.

Em um estudo realizado, o resveratrol demonstrou “efeito (s) antidepressivo (s)”, possivelmente devido à ativação do fator neurotrófico derivado do hipocampo cerebral (BDNF). BDNF promove a criação de neurônios saudáveis no cérebro e os níveis do mesmo tendem a ser baixos em pessoas com depressão.

No entanto, uvas são apenas uma fonte natural de compostos que podem melhorar sua saúde mental. O psicodélico psilocibina, também conhecido como cogumelo mágico, é outro que continua a demonstrar ser promissor no tratamento da depressão.

Em um pequeno estudo realizado com 19 pacientes com depressão resistentes ao tratamento, todos eles experimentaram melhorias nos sintomas uma semana após receber uma dose única de psilocibina, e metade deles não estava mais deprimido cinco semanas após o tratamento.

Varreduras cerebrais mostraram mudanças cerebrais reais ocorridas em áreas envolvidas na depressão, incluindo menos atividade na amígdala, que está envolvida no processamento de emoções, e atividade mais estável na rede de modo padrão (associação entre atividade na rede e depressão foi encontrada).

Pesquisadores sugeriram que os cérebros dos participantes podem ter sido "redefinidos" em certo sentido, ajudando-os a superar a depressão.

Infelizmente, a psilocibina é uma droga listada no Schedule 1, e para levar a pesquisa a um nível no qual ela poderia potencialmente ser transformada em tratamento psiquiátrico, ensaios clínicos fase 3 com milhares de participantes são necessários. Para que isso ocorra, a psilocibina precisaria ser colocada em outra categoria. A exposição à luz é outra forma pela qual a natureza ajuda a saúde mental.

A exposição à luz solar ajudará a otimizar seus níveis de vitamina D (outro fator associado à depressão), além de influenciar seu estado mental através de outros mecanismos, como regular o ritmo circadiano e a produção de serotonina, que é liberada em resposta à exposição ao sol.

Se você não tem acesso à luz solar regular, a terapia com luz de espectro total pode ser uma alternativa útil. Sozinha a terapia com luz e um placebo foram mais eficazes que o Prozac para o tratamento da depressão moderada a grave em um estudo de oito semanas.

Suplementos Úteis para o Tratamento da Depressão

Outros comprovados estimulantes do humor estão prontamente disponíveis através de alimentos que você consome ou, alternativamente, você pode usar suplementos. Esses incluem:

  • Magnésio — Suplementos de magnésio levam a melhorias na depressão leve a moderada em adultos, com efeitos benéficos ocorrendo dentro de duas semanas de tratamento.
  • Gorduras ômega-3, pois foi demonstrado que elas podem levar a melhorias no transtorno depressivo maior. Certifique-se de ingerir ômega-3 através da dieta, seja através de salmão selvagem do Alasca, sardinha, arenque, cavala e anchova, ou de um suplemento de alta qualidade de ômega-3 de origem animal.
  • Vitaminas B — Baixos níveis de vitaminas B são comuns em pacientes com depressão, enquanto que os suplementos de vitamina B têm demonstrado melhorar os sintomas.
  • Folato — O folato ajuda o organismo a produzir neurotransmissores reguladores do humor, incluindo a serotonina e a dopamina. Um estudo realizado em 2012 concluiu que pessoas que consumiam mais folato tinham um risco menor de depressão do que as que comiam menos.
  • Probióticos — Um pequeno estudo envolvendo adultos diagnosticados com SII (síndrome do intestino irritável) e depressão descobriu que o probiótico Bifidobacterium longum proporcionava alívio à depressão. Em seis semanas, 64 por cento do grupo de tratamento apresentaram reduções nas pontuações de depressão em comparação com 32 por cento do grupo de controle que recebeu um placebo. Consumir alimentos fermentados regularmente é uma excelente maneira de fornecer ao organismo uma fonte contínua de probióticos.

Outras opções incluem SAMe, derivado de aminoácidos que ocorre naturalmente em todas as células. Ele desempenha função em muitas reações biológicas, transferindo o grupo metil ao DNA, proteínas, fosfolipídios e aminas biogênicas. Vários estudos científicos indicam que o SAMe pode ser útil no tratamento da depressão.

O 5-hidroxitriptofano (5-HTP), precursor da serotonina, é outra alternativa natural que supera um placebo quando trata-se de aliviar a depressão - mais do que pode ser dito sobre os antidepressivos. Também identificou-se que a erva-de-são-joão promove alívio semelhante à depressão leve ou moderada tanto quanto antidepressivos, mas com menos efeitos colaterais.

O Tratamento da Depressão Requer uma Abordagem Holística

A depressão é uma doença complexa com causas variadas que requer uma abordagem igualmente variada no tratamento. O que funciona para curar sua depressão pode ser diferente do que funciona para o seu vizinho. No entanto, além dos suplementos acima, uma estratégia que beneficiará a maioria das pessoas é fazer exercícios de forma regular.

Mesmo uma quantidade mínima de exercício pode ser suficiente para combater a depressão em algumas pessoas - uma hora por semana, de acordo com um estudo de 11 anos no qual pessoas que exercitavam-se regularmente durante uma hora por semana tinham menos probabilidade de ficarem deprimidas.

Por outro lado, aqueles que não se exercitaram tiveram uma probabilidade 44% maior de ficar deprimidas em comparação com aqueles que faziam exercícios por pelo menos de uma a duas horas por semana.

Tenha em mente que a atividade física deve incluir não apenas "exercício", mas também muitos movimentos diários não exercícios, de tal forma que você esteja em movimento mais do que parado (a) (exceto quando você está dormindo).

Passar tempo na natureza – fazer jardinagem, caminhadas ou ir a parques - também pode ajudar a aliviar a ansiedade e os sintomas depressivos, assim como a prática de meditação de consciência plena e as Técnicas de Libertação Emocional (Emotional Freedom Techniques -EFT). Dar atenção à sua dieta também é vital, especialmente para limitar a quantidade de alimentos processados e açúcares que você consome.

Por outro lado, alimentos que são bons para o seu humor incluem chocolate amargo, banana, açafrão e até café preto orgânico. Cuidar de si mesmo (a), mantendo um estilo de vida saudável (alimentar-se direito, ter um sono de alta qualidade, exercitar-se e aliviar o estresse regularmente) é elemento vital para lutar contra e recuperar-se da depressão.

No entanto, se você está no meio de um episódio depressivo, é difícil concentrar-se em fazer planos de longo prazo ou mudanças no estilo de vida.

Neste caso, procure ajuda de um profissional de saúde, amigo íntimo ou membro da família, e se você estiver desesperado ou tiver pensamentos de suicídio, ligue para o número gratuito do CVV (Centro de Valorização da Vida): 188 ou 141 (para os estados Bahia, Maranhão, Pará e Paraná), ligue para o 193 ou vá até o departamento de urgência do hospital mais próximo.