A Dieta Cetogênica Apresenta Benefícios no Tratamento de Certas Doenças

células cancerosas

Resumo da matéria -

  • A obesidade e as doenças cardíacas, o Alzheimer e o câncer possuem algo importante em comum – todas estão fundamentadas na resistência à insulina e à leptina
  • Ao alimentar-se com uma dieta de alta qualidade com pouca gordura e baixo teor de carboidratos, você obtém a cetose nutricional, um estado metabólico no qual seu organismo queima gordura ao invés de glicose como principal combustível
  • A manutenção da cetose nutricional pode trazer benefícios à saúde em doenças como obesidade, diabetes, câncer, epilepsia, Alzheimer, Parkinson, ELA, EM, autismo, enxaqueca, traumatismos cranioencefálicos, síndrome dos ovários policísticos e muito mais
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

A obesidade e os outros principais causadores de morte, como diabetes, doenças cardíacas, Alzheimer e câncer, possuem algo de significativo em comum — todos eles estão fundamentados na resistência à insulina e à leptina.

Em outras palavras, o problema estrutural é a disfunção metabólica que se desenvolve como resultado do consumo excessivo de carboidratos líquidos (carboidratos totais menos fibra) e/ou proteína. Açúcares encontrados em alimentos processados e grãos são os principais culpados, e a dieta padrão americana é chocante em ambos.

Uma vez que você desenvolve resistência à insulina e à leptina, desencadeia cascatas bioquímicas que não apenas deixam seu organismo agarrado à gordura, mas também produz inflamações e dano celular.

Em suma, ao aperfeiçoar sua função metabólica e mitocondrial, você segue diretamente o caminho para uma saúde melhor. Então, como você corrige esses desequilíbrios metabólicos? Sua dieta é a chave. A periodicidade de suas refeições também pode desempenhar função importante.

A Cetose nutricional Pode Ser a Chave para a Saúde Ideal

Ao alimentar-se com uma dieta saudável com alto teor de gordura, baixo teor de carboidratos e com quantidades baixas/ moderadas de proteína, você entra no que é conhecido como cetose nutricional: um estado em que seu organismo queima gordura como principal combustível em vez de glicose (açúcar). Um número crescente de pesquisas sugere que a cetose nutricional é a resposta para uma longa lista de problemas de saúde, começando pela obesidade.

De fato, novas evidências científicas sugerem que uma dieta com alto teor de gordura e baixo teor de carboidratos, com quantidades baixas a moderadas de proteína (em outras palavras, uma dieta que o mantém na cetose nutricional) é ideal para a maioria das pessoas.

Na verdade, atletas de resistência estão deixando de utilizar as estratégias convencionais ricas em carboidratos e adotando essa maneira de se alimentar, porque aumenta a resistência física e a força.

Além da resistência à insulina e do diabetes tipo 2, existem várias aplicações para a cetose nutricional, inclusive como tratamento para convulsões, especialmente em crianças que não respondem a medicamentos, e em condições neurológicas como Alzheimer e Parkinson. O câncer é outra área em que as dietas cetogênicas são muito promissoras.

Outros benefícios incluem uma menor sensação de fome e uma queda dramática nos desejos por alimentos, uma vez que você tenha feito a mudança de queima de açúcar para queima de gordura como principal combustível. Queimar gordura de forma eficiente também pode aumentar a longevidade. Pesquisadores identificaram cerca de uma dúzia de genes associados à longevidade.

Evitar a degradação de aminoácidos pode ajudar a preservar sua massa muscular. Os BCAAs também promovem outros benefícios: em vários estudos envolvendo modelos animais de meia-idade, a adição de BCAAs aumentou a biogênese mitocondrial muscular e cardíaca (a criação de novas mitocôndrias), melhorando tanto o tempo de vida quanto a longevidade.

Cetonas – Um Combustível Saudável e de Queima Limpa

A principal razão pela qual muitas pessoas estão acima do peso e/ou com problemas de saúde atualmente é que a alimentação ocidentalizada está sobrecarregada de carboidratos sem fibras como combustível primário, o que por sua vez inibe a capacidade do organismo em acessar e queimar gordura corporal.

As gorduras de alta qualidade, entretanto, são o combustível preferido, pois são utilizadas com muito mais eficiência do que os carboidratos. Quando você queima gordura como sua principal fonte de combustível, seu quociente respiratório (a quantidade de oxigênio que você precisa) normalmente diminui, o que é um sinal de que seu metabolismo está funcionando de forma mais eficiente.

Como Entrar em Cetose Nutricional

A maneira mais eficiente de treinar seu corpo para usar gordura como combustível é remover a maioria dos açúcares e amidos da sua alimentação, e isso é verdade para todas as pessoas, seja você um atleta de elite ou um diabético sedentário. Ao mesmo tempo, você deve substituir carboidratos por gorduras saudáveis.

Uma ingestão dietética de cerca de 50 gramas ou menos por dia de carboidratos líquidos, mantendo também um teor baixo a moderado de proteínas, é geralmente baixa o suficiente para permitir a mudança para a cetose nutricional (o estado metabólico associado à produção elevada de cetonas no fígado, ou seja, o reflexo biológico de ser capaz de queimar gordura).

Isso é apenas uma generalização, pois cada pessoa responde aos alimentos de maneira diferente. Algumas pessoas podem entrar em cetose completa consumindo de 70 a 80 gramas de carboidratos sem fibra. Outras, especialmente se tiverem resistência à insulina ou diabetes tipo 2, podem precisar de menos de 40 gramas, ou até mesmo 30 gramas por dia, para chegar lá.

Para encontrar sua meta pessoal de carboidratos, é importante medir não apenas a glicose no sangue, mas também as cetonas, o que pode ser feito através de um exame de urina, de respiração ou de sangue.

Isso dará a você uma medida objetiva se você está ou não realmente em cetose, em vez de confiar apenas na contagem de gramas de carboidratos que consome. A cetose nutricional é definida como cetonas no sangue que ficam na faixa de 0,5 a 3,0 miligramas por litro (mmol / L).

Dito isso, o uso de um monitor de nutrientes melhorará radicalmente a sua capacidade de entender quanto e que tipo de alimento irá ajudá-lo a manter as metas de nutrientes da sua dieta cetogênica, ao mesmo tempo em que irá ajudá-lo a avaliar o valor nutricional das suas escolhas alimentares.

Minha primeira opção é o Cronometer.com/mercola. Essa é a minha versão melhorada do monitor de nutrientes Cronometer básico, cujo padrão é definido para níveis de macronutrientes que apoiarão a cetose nutricional.

Evite o Leite e Considere o Óleo MCT

Além de açúcares e grãos adicionados, é melhor evitar leite por enquanto, pois pode ser difícil permanecer em cetose se você consumir ou beber muito leite.

A galactose encontrada no leite é um carboidrato e você pode facilmente exceder sua cota de carboidratos líquidos bebendo um único copo de leite. A caseína, principal proteína do leite, também pode desencadear ou contribuir para inflamações.

Ao manter baixos níveis de carboidratos líquidos, seu organismo muda para queima de gordura como combustível e seu fígado começa a converter parte dessa gordura em corpos cetônicos. Esta é a produção endógena, o que significa que são produzidos pelo organismo a partir de suas reservas de gordura ou das gorduras nos alimentos que você consome.

A Dieta Cetogênica Possui Longo Histórico de Uso para Tratar Crises Epiléticas

A Authority Nutrition analisou 15 doenças que demonstraram responder favoravelmente a uma dieta cetogênica, e é provável que seja uma pequena lista.

Com base em minha compreensão sobre saúde mitocondrial e função metabólica, grande parte dos problemas de saúde pode enquadrar-se nesta categoria. Uma das doenças para as quais uma dieta cetogênica tem histórico mais longo e mais bem documentado é a epilepsia.

Essa dieta tem sido efetivamente usada para tratar convulsões epilépticas resistentes a medicamentos desde a década de 1920, e estudos confirmaram que ela é útil tanto para crianças quanto para adultos.

Em minha opinião, seria sensato implementar a dieta cetogênica como primeira linha de terapia, mas na medicina convencional, ela normalmente não é considerada ou recomendada a menos que o paciente não responda à medicação.

A Cetose Nutricional Melhora a Saúde do Cérebro

As Cetonas são a fonte de energia preferida do cérebro, de forma geral, mas especialmente para aqueles afetados pela diabetes, Alzheimer, Parkinson e talvez até ELA, porque nessas doenças certos neurônios tornaram-se resistentes à insulina ou perderam a capacidade de utilizar eficientemente a glicose, o que faz com que os neurônios morram. Quando cetonas estão presentes, esses neurônios têm chance maior de sobreviver e desenvolver-se.

Estudos também apoiam o uso da cetose nutricional para tratar autismo. Como observado no artigo em destaque, “o autismo compartilha algumas características da epilepsia, e muitas pessoas com autismo experimentam convulsões relacionadas ao excesso de excitação das células cerebrais”. A pesquisa demonstrou que a cetose nutricional ajuda a diminuir essa atividade excessiva; em um estudo piloto, a maioria das crianças autistas mostrou melhora após seguir uma dieta cetogênica cíclica por seis meses.

Ao contrário da glicose no sangue, cetonas sanguíneas não estimulam o aumento da insulina. Elas também não precisam de insulina para ajudá-las a atravessar as membranas celulares, incluindo membranas neuronais. Em vez disso, elas usam difusão simples, para que possam até mesmo entrar em células que se tornaram resistentes à insulina. Essa é provavelmente uma das razões pelas quais a cetose nutricional funciona tão bem para tratar uma série de problemas e doenças neurológicas. Elas ainda demonstram ser promissoras para:

  • Enxaquecas — Seguir uma dieta cetogênica por quatro semanas demonstrou ser capaz de reduzir a frequência de enxaquecas e diminuir o uso de medicação para dor.
  • Lesões cerebrais traumáticas — Estudos com animais sugerem que ela pode ajudar a reduzir o inchaço do cérebro, melhorar a função motora e acelerar a recuperação, embora pareça mais eficaz nos jovens do que nos idosos. Estudos em humanos ainda precisam validar essas descobertas.

Distúrbios Hormonais e do Sistema Nervoso Podem Ser Melhorados pela Dieta Cetogênica

Sua regulação hormonal e sistema nervoso também podem beneficiar-se pela queima de gordura de forma eficaz. A síndrome dos ovários policísticos (SOP) e a esclerose múltipla (EM) são duas doenças que parecem responder bem a essa mudança no combustível primário.

A SOP, que coloca mulheres em risco elevado de desenvolver resistência à insulina, diabetes, infertilidade, síndrome da artéria coronária, distúrbios lipídicos (como colesterol elevado e pressão alta) e, possivelmente, câncer de mama, é caracterizada por:

  • Hiperinsulinemia (resistência à insulina com níveis séricos de insulina elevados)
  • Aumento da produção de androgênio (hormônio masculino), causando pelos faciais e/ou acne
  • Ausência completa ou quase completa de ovulação
  • Obesidade

Em um estudo, mulheres diagnosticadas com SOP que seguiram a dieta cetogênica por seis meses perderam em média 12% de seu peso corporal e reduziram sua insulina em jejum em média 54%. Os níveis de hormônios sexuais também mostraram melhora, e duas das onze mulheres conseguiram engravidar apesar de histórico de infertilidade.

A EM, doença autoimune, resulta em danos à bainha de mielina (cobertura que protege o nervo), causando sintomas como dormência, perda de equilíbrio e declínio da função motora, bem como problemas de visão e memória. Como observado no artigo em destaque: “Estudo de EM realizado em um modelo rato descobriu que a dieta cetogênica suprimiu marcadores inflamatórios. A redução na inflamação levou a melhoras na memória, aprendizagem e função física”.

A Cetose Nutricional Pode Ser a Chave para Prevenção do Câncer

O câncer é uma doença devastadora e hoje é difícil encontrar alguém cuja vida não tenha sido afetada de alguma forma por essa doença. Na verdade, ele tornou-se uma das principais causas de morte em todo o mundo.

O que é pior, a profissão médica em grande parte ignora o fato de que a maioria dos cânceres está fundamentada na disfunção metabólica e mitocondrial e, portanto, as recomendações convencionais de prevenção fazem pouco ou nada para acabar com o número crescente de diagnósticos de câncer.

Ver o câncer como doença metabólica — em oposição à doença de DNA danificado, que é efeito colateral da disfunção mitocondrial — dá-nos o poder de controlar essa disfunção escolhendo cuidadosamente alimentos e nutrientes e empregando estratégias que ajudem a aperfeiçoar as vias bioquímicas que suprimem o crescimento do câncer, enquanto simultaneamente estimulam mecanismos para levá-lo à remissão.

Outras Estratégias que Promovem a Queima Saudável de Gordura

Duas outras estratégias que ajudarão você a fazer a transição de queima de açúcar para queima de gordura como principal combustível são:

Jejum prolongado ou intermitente, como o Peak Fasting — O jejum intermitente é uma alternativa aos jejuns prolongados. Enquanto eu costumava recomendar pular o café da manhã e fazer do almoço sua primeira refeição, eu finalmente aprendi que, para a maioria, pular o jantar é uma estratégia muito mais eficaz.

O desafio então se torna determinar o momento mais apropriado para fazer seu café-da-manhã. Eu uso um monitor de glicose de 24 horas e aprendi que posso apontar o momento ideal para quebrar meu jejum monitorando minha glicose. Você também pode fazer isso, mesmo sem este monitor especializado. Simplesmente meça sua glicose em intervalos regulares pela manhã, e quando você notar seu nível de glicose subindo, mesmo que você não tenha se alimentado, é sinal de que você está sofrendo de gliconeogênese.

A prática de exercícios é uma ótima maneira de aumentar o reparo e a regeneração mitocondrial, pois é um estímulo potente do PGC1 alfa, que é provavelmente o estímulo mais potente do organismo para a biogênese mitocondrial.