Veja o Acontece Com Seu Coração Quando Você Não Dorme Bem

Sono e Saúde Cardíaca

Resumo da matéria -

  • Esforço excessivo do coração, é um precursor de problemas cardíacos que foram observados após a privação de sono em pessoas que trabalham na área médica emergencial
  • Outras alterações relacionadas, incluindo o aumento da pressão arterial, a frequência cardíaca e os hormônios da tireoide, são indicativas de resposta ao estresse que também foram observadas após a falta de sono
  • Pessoas que dormem menos de sete horas por noite têm um risco maior de desenvolvimento de doenças cardíacas e isso é algo que ocorre independente de outros fatores que influenciam a saúde do coração, como a idade, o peso, os hábitos de exercício e fumar
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Perder o sono é prejudicial à saúde, e pesquisas continuam a apontar exatamente o por quê seu corpo sofre quando privado de um sono de qualidade.

Muitas pessoas estão em risco, incluindo aquelas que sofrem com a insônia, e as pessoas que trabalham longas horas erráticas ou em turnos noturnos.

Pessoas que trabalham na área médica emergencial, muitas vezes estão nesta última categoria, e a pesquisa apresentada na reunião anual de 2016 da Radiological Society of North America (Sociedade Radiológica da América do Norte) revelou os danos que isso pode causar a saúde do coração.

Pesquisadores da Universidade de Bonn, na Alemanha, tiraram fotos de corações de radiologistas antes e depois de um turno de 24 horas, durante o qual eles dormiram apenas cerca de três horas. Foi observado um esforço cardíaco significativo, que é precursor de problemas cardíacos, após a privação de sono.

Outras alterações significativass, incluindo o aumento na pressão arterial, a frequência cardíaca e os hormônios da tireoide, que são indicativos da resposta ao estresse, também foram observadas.

O que Acontece com Seu Coração Quando Você Não Dorme o Suficiente?

Pessoas que dormem menos de sete horas por noite possuem risco maior de desenvolvimento de doenças cardíacas, e isso ocorre independente de outros fatores que influenciam a saúde do coração, como a idade, o peso, os hábitos de exercício e o fumo. De acordo com a National Sleep Foundation (NSF) (Fundação Nacional do Sono):

"Um estudo que examinou dados de 3.000 adultos com mais de 45 anos concluiu que aqueles que dormiam menos de seis horas por noite estavam duas vezes mais propensos a ter um acidente vascular cerebral ou um ataque cardíaco, do que as pessoas que dormiam de seis a oito horas por noite.

Não está completamente claro por que a falta de sono é prejudicial à saúde do coração, mas pesquisadores entendem que dormir muito pouco causa distúrbios de saúde e causa modificações nos processos biológicos, como o metabolismo da glicose, a pressão sanguínea e ainflamação no corpo."

Não é coincidência, que pessoas que lutam contra a apneia do sono, o que causa frequentes despertares noturnos, muitas vezes tenham problemas cardíacos.

Mulheres com apneia do sono tendem a ter níveis mais elevados de proteína troponina T, que é um marcador de dano cardíaco, e são mais propensas a ter coração inchado, que é fator de risco para doenças cardíacas.

" …Sem longos e profundos períodos de descanso, observou a NSF, certos produtos químicos são ativados para impedir que o organismo atinja longos períodos em que a frequência cardíaca e a pressão sanguínea são reduzidas."

Isso também pode aumentar o risco do aumento da pressão e problemas cardíacos.

No entanto, não são apenas as pessoas com distúrbios do sono, como a apneia do sono, que estão em risco. Interrupções do sono causadas pela insônia, maus hábitos de dormir ou horários de trabalho também podem colocar em risco a saúde do coração.

Um estudo realizado recentemente concluiu que, mesmo entre as crianças, uma menor duração do sono está associada ao aumento da rigidez arterial, fator de risco para as doenças cardíacas e os derrames.

Não Dormir Bem Pode Quadruplicar seu Risco de Sofrer um Acidente de Carro

Quando você não dorme o suficiente, suas habilidades de resolução de problemas diminuem e o tempo de reação fica mais lento. Longos lapsos de atenção e redução da precisão das respostas também ocorrem, o que são especialmente problemáticas enquanto se dirige.

Em um relatório divulgado pela AAA Foundation for Traffic Safety (Fundação para Direção Segura), pesquisadores compararam dirigir enquanto se está sonolento a dirigir quando se está com alta concentração de álcool no sangue o que poderia ser considerado legalmente como dirigir embriagado.

A falta de sono, mesmo que tenha sido por uma ou duas horas, quase que dobrou o risco de acidentes de carro dos participantes no dia seguinte. Se a privação do sono fosse maior, com os participantes dormindo apenas quatro ou cinco horas por noite, os riscos de um acidente de carro quadruplicariam.

De acordo com a AAA Foundation for Traffic Safety:

"Pesquisas anteriores da AAA Foundation for Traffic Safety estimaram que em torno de 7 por cento de todas as colisões, 13 por cento das colisões que resultam em internação hospitalar e 21 por cento das colisões fatais envolvem sonolência do motorista."

A Privação de Sono é um Desastre Esperando para Acontecer

A privação do sono tem desempenhado uma função em muitos eventos catastróficos, incluindo Chernobyl, o Acidente de Three-Mile Island, a explosão do ônibus Challenger e mais.

Isso não é surpreendente, uma vez que é bem conhecido por causar reações embotadas, mas pesquisadores também concluíram que a falta de sono é particularmente problemática para tomada de decisões envolvendo incertezas e mudanças inesperadas. Eles concluíram:

"Reações lentas ao feedback quando há privação de sono faz com que os problemas se adaptem à incerteza e a situações imprevistas. Portanto, um erro pode ser registrado, mas com um efeito menor devido a uma menor valência afetiva do feedback ou porque o feedback não está cognitivamente relacionado à escolha.

Isto tem importantes implicações para a compreensão e para controle do comprometimento cognitivo induzido por perda de sono em resposta a emergências, controle de desastres, operações militares e outras configurações dinâmicas do mundo real com resultados incertos e informações imperfeitas."

Por exemplo, quando o reator de Chernobyl derreteu em 1986, os engenheiros envolvidos no desastre haviam trabalhado 13 horas seguidas ou mais antes do derretimento. Da mesma forma, o ônibus espacial Challenger explodiu após seu lançamento em janeiro de 1986, matando todos os sete ocupantes a bordo.

Os administradores envolvidos no lançamento haviam dormido apenas duas horas antes de apresentarem-se para trabalhar à uma hora da manhã, e a Comissão Presidencial sobre o acidente observou que:

"A disposição dos funcionários em geral da NASA de trabalhar horas excessivas, embora seja admirável, representa sérios problemas quando põe em risco o desempenho no trabalho, especialmente quando decisões críticas e a vida estão em jogo."

Mesmo uma “Pequena” Privação do Sono é Prejudicial

O que talvez seja mais surpreendente é que são necessárias apenas pequenas mudanças no sono para alterar seriamente o cérebro, o corpo e o comportamento. Como o relatório da AAA observou, dormir até menos uma hora por noite aumenta o risco de acidente de carro no dia seguinte.

O horário de verão, prática de adiantar os relógios por uma hora nos meses de verão e voltar ao normal no inverno, também é revelador em relação a isso.

A pesquisa apresentada nas sessões científicas anuais do American College of Cardiology (Faculdade Americana de Cardiologia) revelou que o risco de se ter um ataque cardíaco na segunda-feira seguinte à mudança do horário de verão na primavera (quando uma hora de sono é perdida) aumenta em 25% em comparação com outras segundas-feiras.

No final do verão, quando os relógios voltam ao horário normal e as pessoas têm uma hora extra de sono, o risco de ataque cardíaco caiu em 21%.

Além disso, um neurocientista da Universidade de Washington disse à CBS News que o ajuste dos relógios em uma hora correspondem a um aumento significativo nos acidentes de trânsito e nos ataques cardíacos nos próximos dois ou três dias.

A pesquisa também demonstrou que o horário de verão desencadeia aumentos nas lesões no local de trabalho (frequência e gravidade), bem como atrasos no tempo de reação que afetam o desempenho dos trabalhadores.

Trabalhar ou Funcionar Quando se Dorme Pouco é Como Fazer as Coisas Bêbado

Você provavelmente não consumiria álcool de forma excessiva e tentaria realizar seu trabalho ou dirigir seu carro. No entanto, praticamente todo mundo tenta funcionar dormindo pouco. De forma alarmante, pesquisas continuam demonstrando que esses dois estados são basicamente os mesmos.

Um estudo realizado pela Universidade de Michigan (U-M), por exemplo, concluiu que dormir até seis horas por noite é muito pouco e pode deixar você funcionalmente prejudicado(a), semelhante a estar bêbado(a). A matemática da U-M e autora do estudo Olivia Walch disse:

"Não são necessários muitos dias sem dormir o suficiente para você estar funcionalmente bêbado ... Pesquisadores descobriram que estar excessivamente cansado pode promover esse efeito. E, ao mesmo tempo, o que é assustador é que as pessoas acham que estão realizando suas tarefas muito melhor do que estão na realidade. Seu desempenho cai, mas a sua percepção do seu desempenho não."

Em fevereiro de 2016, os U.S. Centers for Disease Control and Prevention (CDC) (Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA) relatou que 1 em cada 3 adultos dos EUA não dormem o suficiente.

Neste caso, dormir o "suficiente" foi definido como obter sete ou mais horas por noite, mas muitos adultos podem precisar de mais de oito horas por noite (e, portanto, a falta de sono pode afetar mais de 1 em 3 adultos).

Além de prejudicar seu coração e aumentar o risco de acidentes e ferimentos sérios, pesquisas realizadas concluíram que quando os participantes diminuiram de 7,5 a 6,5 horas por noite dormidas, houve um aumento na atividade de genes associados à inflamação, excitabilidade imunológica, diabetes, risco de câncer e estresse. Um sono interrompido ou prejudicado também pode:

  • Aumentar seu risco de desenvolvimento de câncer
  • Prejudicar seu cérebro interrompendo a produção de novos neurônios. A privação do sono pode aumentar os níveis de corticosterona (hormônio do estresse), resultando em número menor de novas células cerebrais sendo criadas no hipocampo
  • Contribuir para um estado pré-diabético resistente à insulina, fazendo com que você sinta fome mesmo que já tenha se alimentado, o que pode levar ao ganho de peso
  • Contribuir para o envelhecimento prematuro interferindo na produção de hormônio de crescimento, normalmente liberada pela glândula pituitária durante o sono profundo (e durante certos tipos de exercício, como o exercício intervalado de alta intensidade).
  • Aumentar o risco de morte por qualquer causa

Faça Isso Agora para Dormir Melhor essa Noite

Se você tiver problemas para dormir, agora é a hora de agir para ter uma melhor noite de descanso. Talvez o "truque" natural mais importante de todos para melhorar o seu sono seja certificar-se de que você está expondo-se adequadamente à luz do sol durante o dia e não está expondo-se à luz azul durante a noite.

De manhã, a luz do sol, azul e rica sinaliza para seu organismo que é hora de acordar. À noite, quando o sol se põe, a escuridão deve sinalizar para seu organismo que é hora de dormir.

Idealmente, para ajudar seu sistema circadiano a reinicializar, obtenha pelo menos 10 a 15 minutos de luz natural no início da manhã. Isso enviará uma mensagem forte para o seu relógio interno de que o dia chegou, tornando menos provável que seja confundido com sinais de luz mais fracas mais tarde.

Então, em torno do meio-dia solar, obtenha outra "dose" de pelo menos 30 minutos de luz solar. Uma hora inteira ou mais seria ainda melhor. Se sua programação é tal que você tem que se levantar e chegar ao trabalho antes do nascer do sol, procure obter pelo menos meia hora de luz solar em algum momento durante o dia.

À noite, quando o sol começa a se pôr, coloque óculos cor de âmbar que bloqueiam a luz azul. Você também pode escurecer suas luzes (sejam lâmpadas LED, incandescentes ou fluorescentes compactas) e desligar os dispositivos eletrônicos para reduzir sua exposição à luz que pode sufocar sua produção de melatonina.

Melhor ainda, troque as luzes de LED por luzes de halogéneo incandescentes ou incandescentes de baixa voltagem (e não se esqueça de ler o meu artigo recente sobre os perigos das luzes LED). Após o pôr do sol, você também pode mudar para uma lâmpada de baixa voltagem com luz amarela, laranja ou vermelha se precisar de iluminação.

Uma lâmpada de sal iluminada por uma lâmpada de 5 watts é solução ideal que não interferirá na produção de melatonina. A luz de velas também funciona bem. Se você já otimizou sua exposição à luz e ainda está tendo problemas de sono, veja meus 33 segredos para um sono saudável para conseguir uma lista mais abrangente de estratégias para pbter uma melhor noite de sono.