Gorduras: Por Que A Gordura Alimentar Saudável É Crucial

Tamanho da fonte:
Gorduras Saudáveis

A mídia e as autoridades de saúde pública têm promovido a desinformação sobre as gorduras há mais de 50 anos, recomendando dietas com baixo teor de gordura, ao mesmo tempo em que incentivam evitar alimentos como o óleo de coco e a manteiga.

Mas, agora, o mito nutricional de que gorduras - gorduras saturadas, em particular - são ruins para você está desmoronando devido ao fluxo constante de pesquisas irrefutáveis que contradizem isso.

As pessoas têm comido produtos de origem animal durante a maior parte de nossa existência na Terra - os primeiros homens das cavernas eram caçadores coletores que consumiam principalmente carnes e plantas. Por isso, sugerir que as gorduras saturadas são repentinamente prejudiciais para nós não faz sentido, especialmente partindo de uma perspectiva evolutiva.

Você PRECISA de Gordura Alimentar (Saudável)

Pode ser bastante confuso aprender quais gorduras são realmente boas para você, então deixe-me esclarecer isso. As gorduras saturadas são as gorduras saudáveis encontradas em produtos de origem animal como manteiga, queijo, leite integral cru e carnes gordas.

No entanto, você deve estar atento aos óleos vegetais e de sementes hidrogenadas, que são gorduras insaturadas que foram artificialmente manipuladas para se tornarem gorduras saturadas. Estas também são conhecidas como gorduras trans, que interferem nos seus receptores de insulina e o colocam em risco de doenças crônicas como o câncer, doenças cardíacas e diabetes.

A razão pela qual as gorduras saturadas têm sido injustamente demonizadas por tanto tempo se deve a um estudo falho feito por um cientista influente mas equivocado, o Dr. Ancel Keys, que erroneamente ligou uma maior ingestão de gordura saturada a taxas mais elevadas de doenças cardíacas.

A verdade é que a gordura saturada encontrada naturalmente em fontes de origem animal e vegetal não é a vilã - as gorduras trans encontradas na margarina, gorduras vegetais e óleos vegetais parcialmente hidrogenados usados em produtos de baixa qualidade é que são as culpadas. Estas são as gorduras insalubres que você deve evitar a todo custo.

Então, quais são as melhores fontes de gordura alimentar saudável? As gorduras animais são uma grande fonte, pois contêm níveis benéficos de ômega-3. Outras escolhas saudáveis que você deve incluir em sua dieta durante esta fase são:

Abacates

Carnes de animais alimentados com pasto

Manteiga pasteurizada idealmente de um fazendeiro local (mas da marca Kerry Gold se for comprada em um supermercado)

Gema de ovo pasteurizada orgânica

Óleo de coco e MCT

Manteiga de cacau pura

Nozes cruas, tais como a noz-pecã e macadâmia

A ciência mais atual recomenda que as gorduras saudáveis dessas fontes devam compreender em torno de 50 a 85 por cento de sua ingestão calórica total. No entanto, lembre-se que a gordura tem muitas calorias, mas é pequena em termos de volume. Então, quando você olhar para o seu prato, a maior parte ainda será de legumes.

Carboidratos Versus Gorduras- O Que Realmente Faz Você Engordar?

Durante as últimas cinco décadas, os americanos foram orientados a ter uma dieta rica em carboidratos complexos e pobre em gorduras saturadas. Mesmo as pessoas com diabetes têm ouvido que elas devem obter de 50 a 60 por cento de suas calorias diárias na forma de carboidratos!

Ao mesmo tempo, alimentos saudáveis ricos em gordura são evitados por causa de seus riscos aparentes à saúde.

Este é o exato oposto do que uma pessoa com diabetes - ou qualquer pessoa, em geral - precisa para se manter saudável. De fato, essa mudança para uma dieta mais baseada em grãos levou a um aumento nas taxas de obesidade, diabetes e doenças crônicas.

Um estudo de 14 anos envolvendo 27.000 pessoas com idade entre 45 e 74 anos confirmou isso. O estudo descobriu que aqueles que consumiram oito porções de produtos lácteos gordurosos por dia reduziram seu risco de ter diabetes em 25 por cento em comparação com aqueles que comiam menos porções.

Outro estudo publicado em 2010 também sugeriu que o ácido palmitoleico, que ocorre naturalmente em produtos lácteos gordurosos, protege contra a resistência à insulina e diabetes. Basta dar uma olhada nos muitos benefícios das gorduras saudáveis:

Fornece os blocos de construção para membranas celulares, hormônios e substâncias semelhantes a hormônios

Ajuda na absorção de minerais, como o cálcio

Funciona como transportador para as importantes vitaminas lipossolúveis A, D, E e K

Ajuda na conversão do caroteno em vitamina A

Ajudar a reduzir os níveis de colesterol (ácidos palmítico e esteárico)

Age como agente antiviral (ácido caprílico)

Fornece combustível otimizado para o seu cérebro e coração

Aumenta a saciedade

Modula a regulação genética e ajudar a prevenir o câncer (ácido butírico)

Queimar gorduras saudáveis como combustível é crucial para sua função cerebral. Na verdade, seu cérebro não pode funcionar adequadamente sem gorduras. Entretanto, exagerar no consumo de açúcar e de grãos conduz ao enfraquecimento e danificação neurais, em parte porque bloqueiam a sinalização da insulina.

As gorduras ômega-3 em particular são essenciais para a saúde otimizada do cérebro. No entanto, poucas pessoas recebem o suficiente através da dieta, e em vez disso exageram em gorduras poliinsaturadas ômega-6. Na verdade, a deficiência de ômega-3 foi considerada um fator subjacente significativo em até 96.000 mortes prematuras a cada ano, sendo a maior assassina dos americanos atualmente.

Parte do problema é que muitas pessoas consomem demasiadas gorduras inflamatórias ômega-6 (como óleos vegetais) e muito poucos ômega-3 anti-inflamatórios, criando as condições propicias para doenças e problemas de saúde.

Tenha em mente que a proporção ideal de gorduras ômega-6 para ômega-3 é de 1:1. Nesta fase, você deve avaliar sua dieta e reduzir sua ingestão de alimentos ricos em ômega-6, se necessário, a fim de atender a essa proporção.

Uma das maneiras mais fáceis de manter sua proporção de ômega 6: 3 é comendo regularmente peixes saudáveis como o salmão do Alasca, sardinhas ou anchovas, pois eles são peixes mais baixos em toxinas. Você também pode tomar um suplemento de óleo de krill. Os fosfolípideos ligados ao ômega-3 no óleo de krill ajudam na sua absorção, portanto você não precisa tomar grandes quantidades.

Comparado aos suplementos de óleo de peixe, o óleo de krill tem 50 vezes mais do antioxidante astaxantina, que preserva as gorduras ômega-3 e previne a oxidação, permitindo uma melhor absorção. Outro benefício do óleo de krill é que ele não causa arrotos, como outros suplementos de óleo de peixe fazem.

Como você vai saber se você está recebendo a quantidade certa de ômega-3? Bem, tipicamente, a deficiência de ômega-3 manifesta-se através de certos sintomas como:

Nevoa do cérebro

Depressão

Ganho de peso

Unhas frágeis

Alergias

Artrite

Má qualidade do sono

Problemas de memória

Cabelo seco

Pele seca

Falta de concentração

Fadiga

Se você começar a tomar óleo de krill e aumentar sua ingestão de alimentos ricos em ômega-3 durante esta fase, você poderá notar que um ou mais dos sintomas acima melhorará - este é um sinal muito bom.

No entanto, se você estiver tomando óleo de krill já há algum tempo, e seus sintomas retornam sem razão aparente, então isso pode ser porque você está tomando muito óleo de krill. Pare por um curto tempo para ajudar seu corpo a eliminar o óleo e, em seguida, retome tomando uma dose mais baixa.

Lembre-se: se você está grávida, consumir quantidades suficientes de gorduras ômega-3 é especialmente importante, pois elas são cruciais para o desenvolvimento visual e cognitivo do seu bebê. O ômega-3 também desempenha um papel significativo mesmo após o parto e durante a amamentação.

Baixos níveis de ômega-3 estão ligados a um risco aumentado de depressão pós-parto, enquanto em crianças verificou-se que a suplementação de ômega-3 no início da vida aumenta a inteligência.

Portanto, se você não consumir regularmente alimentos com ômega-3 como o salmão selvagem do Alasca ou sardinhas, eu recomendo a suplementação com óleo de krill antes e durante a gravidez, e durante a amamentação.

Lembre-se que os bebês recebem a gordura vital do ômega-3, o DHA, através do seu leite materno, por isso, se você puder continuar a amamentar pelo menos durante o primeiro ano, isso dará ao seu bebê uma grande vantagem inicial para o sucesso na vida.