Iodo: Um guia completo sobre seus benefícios em potencial

Sal

Resumo da matéria -

  • O iodo é abundante em alimentos como frutos do mar e iogurte feito de leite de vaca terminada a pasto, mas também pode ser encontrado em suplementos de alta qualidade
  • Seu corpo precisa desse mineral para produzir os hormônios da tireoide, essenciais para sua saúde. O iodo também ajuda a garantir o desenvolvimento adequado do feto e do bebê
  • Infelizmente, a deficiência de iodo é um problema crescente em muitas partes do mundo devido a vários fatores ambientais e do estilo de vida
Tamanho da fonte:

Pesquisadores e especialistas em saúde recomendam que você mantenha um nível ideal de iodo. Mas você pode se perguntar: o que torna o iodo tão importante para o corpo e por que sua deficiência é considerada alarmante?

O que é o iodo?

O iodo é um oligoelemento que pode ser obtido a partir de alimentos, embora também possa ser encontrado em suplementos de iodeto de potássio ou iodeto de sódio, ou usado em suplementos multivitamínicos, minerais ou nutricionais (como algas que contêm iodo).

De acordo com um artigo do Indian Journal of Endocrinology and Metabolism, são encontrados entre 15 e 20 miligramas desse elemento no corpo, sendo que 70% a 80% dessa quantidade está na glândula tireoide.

Existem diversos tipos de iodo. A American Thyroid Association (ATA) explica que, quando está na forma de iodeto, o iodo é transformado em duas formas radioativas: iodo-123 ou I-123 (inofensivo às células da tireoide) e iodo-131 ou I-131 (nocivo para a células da tireoide). Os dois tipos são usados em pessoas com doenças na tireoide, administrados por via oral através de comprimidos ou em forma líquida.

Se você quiser saber como estão os seus níveis de iodo, o seu médico pode recomendar que você faça um exame de sangue ou de urina. Não confunda as formas ativas do iodo com as encontradas no sal de cozinha. Mesmo que a embalagem diga que ele contém iodo, o sal de cozinha iodado tecnicamente é iodeto de potássio adicionado ao cloreto de sódio, nome químico do sal.

O mesmo princípio se aplica caso você encontre iodopovidona. Essa substância, normalmente conhecida pelo nome comercial Riodeine e comumente usada como antisséptico, é composta de iodo e um polímero sintético chamado polivinilpirrolidona ou povidona.

Por que a deficiência de iodo está aumentando assustadoramente?

A deficiência de iodo é um problema crescente no mundo, afetando 2,2 bilhões de pessoas, principalmente nos países onde o sal iodado não está disponível. Segundo a ATA, os níveis médios de iodo na urina (que podem ser utilizados para mensurar a ingestão de iodo na alimentação) caíram pela metade desde a década de 1970.

Existem fatores nutricionais e ambientais que estão relacionados com a deficiência de iodo, sendo eles:

  • Tempo entre o preparo e o consumo do alimento — Cada vez mais pessoas, em vez de optarem por uma refeição caseira, estão preferindo consumir alimentos industrializados e prontos para o consumo, ou comer em restaurantes. Isso aumenta o consumo de alimentos com alto teor de sal que podem não ter quantidades suficientes de iodo.
  • Tiocianatos em alimentos — Tiocianatos são metabólitos encontrados em vegetais da família Brassica, assim como na mandioca e na soja. De acordo com o World’s Healthiest Foods, consumir frequentemente alimentos com alto teor de tiocianato pode prejudicar a capacidade da tireoide de processar o iodo. Isso pode fazer você pensar que está sofrendo de uma deficiência de iodo, mesmo que esse não seja o caso.
  • Solo deficiente em iodo — Na América do Norte, o uso excessivo de fertilizantes alcalinos e o cultivo intensivo fazem com que o solo se torne deficiente em iodo, o que faz com que as plantações não recebam iodo naturalmente do solo. No Centro-Oeste dos EUA, o solo não possui nenhum teor de iodo, devido à distância do oceano.

Também existem alguns grupos que podem correm o risco de deficiência de iodo:

  • Veganos e vegetarianos — Os autores de um artigo da Annals of Nutrition and Metabolism ressaltam que os alimentos derivados de plantas possuem menos iodo do que aqueles derivados de animais.
  • Gestantes — Embora o mineral seja muitas vezes liberado pela urina da mãe, o iodo ajuda na produção da tiroide, que é essencial para o bebê. Alguns estudos mostraram que as mulheres grávidas em países como Brasil, China, Etiópia e Gana não estão ingerindo quantidades suficientes de iodo.
  • Pessoas que vivem em regiões com solos deficientes em iodo e que se alimentam principalmente de comida local — Os solos nessas áreas tendem a ter baixos níveis de iodo, produzindo alimentos com baixo teor desse mineral. O Himalaia, as regiões dos Alpes e dos Andes e alguns vales fluviais no sul e sudeste da Ásia são locais onde o solo tende a apresentar deficiência em iodo.
  • Pessoas consumindo menores quantidades de iodo — O aumento dos níveis de iodo no seu corpo deve se dar através da alimentação, já que esse elemento não é produzido naturalmente. Se não consumir alimentos ricos em iodo o suficiente, pode acabar sofrendo de deficiência de iodo.
  • Pessoas que comem alimentos contendo goitrogênicos — São substâncias naturais e que podem afetar negativamente o uso do iodo no corpo. Elas estão presentes na soja e em vegetais crucíferos, como repolho, brócolis, couve-flor e couve de Bruxelas.

A deficiência de iodo também pode ser problemática, pois faz com que seu corpo seja incapaz de produzir quantidades suficientes do hormônio da tireoide. Isso pode gerar efeitos negativos, como:

  • Mães com deficiência de iodo podem dar à luz a bebês que apresentarão crescimento, desenvolvimento cerebral e progressão sexual deficientes.
  • Níveis de QI extremamente baixos em crianças e bebês.
  • Redução da capacidade de trabalhar e pensar com clareza entre adultos.
  • Risco aumentado de danos cerebrais.

Alguns dos sintomas da deficiência de iodo são:

Inchaço das glândulas tireoide no pescoço, produzindo um nódulo visível chamado bócio.

Fraqueza ou cansaço.

Ganho de peso.

Queda de cabelo.

Pele ressecada.

Aumento da tendência a sentir frio.

Frequência cardíaca mais lenta.

Problemas cognitivos como queda no QI e dificuldades de aprendizado.

Hipotireoidismo ou funcionamento da tireoide em níveis reduzidos

A deficiência de iodo também pode levar a uma complicação rara do hipotireoidismo, que gera risco de morte, o chamado mixedema. Os sintomas incluem inconsciência, bócio, níveis reduzidos de energia, convulsões, confusão e coma. O mixedema requer tratamento imediato. Portanto, caso você perceba alguém exibindo esses sintomas, procure um médico imediatamente.

Alimentos ricos em iodo que você pode experimentar

Para ajudar a manter seus níveis de iodo em um patamar saudável, existem vários alimentos ricos nesse nutriente que você pode adicionar à sua dieta. São eles:

Frutos do mar como algas, especialmente o nori, kombu e wakame — O iodo é muito abundante nos oceanos, especialmente entre esses frutos do mar. De acordo com este estudo de 2014, dentre as variedades de algas, o kombu foi a que apresentou o maior teor de iodo, seguido pelo wakame e depois pelo nori.

Cranberries orgânicas (oxicoco) ou suco de cranberry fresco — Trinta gramas de cranberries (cerca de um terço de um copo americano) contém 100 microgramas de iodo. O ideal é consumir cranberries frescos e orgânicos com moderação, pois cada xícara contém 4,27 gramas de frutose. Se quiser tomar o suco dessa fruta, faça você mesmo em casa, sem adição de açúcar ou adoçante.

Uma ressalva: caso você tenha pedras nos rins, evite consumir produtos à base de cranberry pois eles contêm oxalatos que podem fazer com que apareçam mais pedras. A Mayo Clinic também recomenda que você evite beber suco de cranberry caso esteja tomando varfarina (um medicamento anticoagulante), pois pode intensificar os efeitos desse medicamento, aumentando o risco de sangramento.

Iogurte feito de leite orgânico e de animais terminados a pasto — Além de ser uma boa fonte de iodo, o iogurte orgânico de animais terminados a pasto é uma ótima fonte de probióticos.

Os benefícios do iodo para a saúde

Seu corpo precisa de iodo para ajudar na produção de hormônios da tireoide, que auxiliam na manutenção do metabolismo ideal e em outras funções importantes. Este mineral, de acordo com o Escritório de Suplementos Nutricionais do Instituto Nacional de Saúde, é particularmente importante se você estiver grávida ou amamentando, uma vez que é um fator que pode ajudar no crescimento e desenvolvimento adequado dos bebês.

O leite materno é uma boa fonte de iodo para os bebês. No entanto, a quantidade de iodo no leite depende da ingestão do mineral pela mãe. De acordo com o WebMD, o iodo também pode:

Ajudar a inibir a deficiência de iodo e as complicações associadas a ela.

Aliviar a esporotricose cutânea, uma doença de pele causada pelo fungo Sporothrix.

Combater a doença fibrocística da mama.

Aliviar úlceras diabéticas.

Oferecer propriedades expectorantes.

Reduzir o risco do aparecimento de doenças oculares, diabetes, doenças cardíacas e derrame.

Eliminar fungos, bactérias e amebas.

Purificar a água.

As aplicações tópicas de iodo também podem ajudar na eliminação dos germes e na redução do risco de mucosite causada pela quimioterapia, ou da dor dentro da boca.

Estudos sobre o iodo

Um estudo descobriu que o iodo pode ajudar a reduzir o risco de desenvolvimento doenças cardiovasculares como a hipercolesterolemia. O estudo, publicado no Journal of Nutrition em setembro de 2015, observou que o risco de desenvolvimento de hipercolesterolemia em mulheres com sobrepeso e com uma deficiência de iodo moderada a grave pode ser reduzido com uma suplementação deste mineral.

Como mencionado anteriormente, o iodo também é essencial para o bem-estar de crianças, pois a deficiência deste mineral pode comprometer o neurodesenvolvimento.

De acordo com um estudo de julho de 2017 no Journal of Nutrition, crianças cujas mães, durante a gravidez, não atingiram os níveis de ingestão de iodo sugeridos pelo Necessidade Média Estimada podem desenvolver problemas como atrasos na fala, problemas de comportamento e diminuição das habilidades motoras aos 3 anos.

Além disso, a deficiência deste mineral pode aumentar o risco de desenvolvimento de câncer de tireoide. Os resultados de um estudo publicado na Thyroid Research em junho de 2015 apontam que a deficiência de iodo é um possível fator de risco para câncer de tireoide, câncer de tireoide folicular (FTC) e câncer de tireoide analítico (ATC).

Efeitos colaterais do iodo

Caso esteja pensando em tomar suplementos de iodo, é importante consultar um médico para determinar a dosagem ideal para sua situação. Isso pode ajudar a diminuir o risco de efeitos colaterais, como overdose ou intoxicação aguda por iodo.

Consumir grandes quantidades de iodo pode levar ao hipotireoidismo, que pode bloquear a produção de hormônios da tireoide. Outros efeitos colaterais de consumir uma dose muito grande de iodo são:

Bócio ou aumento da glândula tireoide

Inflamação da glândula da tireoide

Risco aumentado de câncer de tireoide

Gosto metálico na boca

Dores nos dentes ou nas gengivas

Complicações em condições como hipotireoidismo, bócio ou tumor da tireoide

Sensação de queimação na boca, garganta ou estômago

Febre

Dores estomacais

Náusea

Vômito

Diarreia

Pulsação fraca

Coma

Algumas pessoas podem ser intolerantes ao iodo ou produtos que o contenham, como aquelas com uma doença autoimune da tireoide. Se você tiver sensibilidade ao iodo, pode desenvolver os seguintes problemas:

  • Sangramento e hematomas graves
  • Dores nas articulações
  • Inchaço no rosto e nos lábios
  • Dermatite de contato, um tipo de erupção cutânea com comichão que se desenvolve gradualmente
  • Urticária

Esteja ciente de que o iodo pode agravar a erupção cutânea chamada de dermatite herpetiforme. O Medical News Today acrescenta que a intolerância ao iodo pode ser fatal, pois pode levar à anafilaxia, que pode evoluir para um choque anafilático e gerar risco à vida. Esta é uma reação alérgica repentina, e seus sintomas são urticária, pressão arterial baixa, tontura, palpitações e dificuldades para respirar.

De acordo com o Escritório de Suplementos Nutricionais do Instituto Nacional de Saúde, também pode haver casos de reação dos suplementos de iodo com os medicamentos que você está tomando:

  • Medicamentos anti-hipertireoidismo como o metimazol (Tapazole) — Tomar suplementos de iodo juntamente com medicamentos anti-tireoide pode fazer com que seu corpo pare de produzir esse hormônio importante.
  • Inibidores da ECA como benazepril (Lotensin), lisinopril (Prinivil e Zestril) e fosinopril (Monopril — Os inibidores da ECA são recomendados para pessoas com pressão arterial alta. Se você tomar suplementos de iodo juntamente com inibidores da ECA, existe o risco de elevar o potássio no sangue para um nível não seguro.
  • Diuréticos poupadores de potássio como espironolactona (aldactona) e amilorida (Midamor) — Tomar suplementos de iodeto de potássio em conjunto com diuréticos pode aumentar significativamente o teor de potássio no sangue.

Procure um médico antes de começar a tomar suplementos de iodo, especialmente se você estiver passando por algum problema de saúde. Assim, ele poderá informar se o medicamento que você está tomando atualmente irá interagir com o suplemento sem causar nenhum efeito colateral.

Perguntas frequentes (FAQs) sobre o iodo

P: O que o iodo faz?

R: Seu corpo precisa do iodo, pois esse mineral ajuda a:

  • Produzir hormônios da tireoide
  • Promover o desenvolvimento de bebês
  • Aumentar a função cognitiva durante a infância
  • Diminuir o risco de câncer de tireoide induzido por radiação

P: Para que o iodo é utilizado?

R: Alguns usos do iodo incluem:

  • Função expectorante
  • Remover fungos, bactérias e amebas do seu corpo
  • Purificar água
  • Aliviar a doença fibrocística da mama
  • Auxiliar no tratamento da esporotricose cutânea, uma doença de pele causada pelo fungo Sporothrix

P: Iodo é um metal?

R: De acordo com a LiveScience, o iodo é um ametal, embora apresente algumas características de metais.

P: Como obter iodo?

R: Você pode aumentar as reservas de iodo do seu corpo consumindo alimentos ricos nesse mineral ou tomando suplementos ou multivitamínicos de alta qualidade que contêm iodo.

P: Quais alimentos contêm iodo?

R: Kelp, nori, wakame e outros frutos do mar, cranberry orgânica ou suco fresco de cranberry e iogurte feito com leite de vacas terminadas a pasto são alimentos ricos em iodo que você pode incluir na sua alimentação.

P: O sal contém iodo?

R: Sim, mas em pequenas quantidades. No entanto, o sal marinho, que geralmente possui um processamento mínimo, possui quantidades significativas de cálcio, magnésio e potássio.

P: É possível sofrer intoxicação por iodo?

R: Se consumido em excesso, o iodo pode ser intoxicante e ter efeitos colaterais perigosos. Antes de tomar suplementos de iodo ou aumentar significativamente a ingestão de alimentos ricos em iodo, consulte um médico para saber a quantidade de iodo que seu corpo precisa, de modo a evitar os efeitos colaterais.

P: Qual a quantidade recomendada de iodo para mim?

R: De acordo com o Escritório de Suplementos Nutricionais do Instituto Nacional de Saúde, a quantidade de iodo de que você precisa normalmente varia com a sua idade. O limite superior para um adulto é de 1.100 microgramas.

+ Recursos e Referências