Por que você é viciado no seu celular

vício em celular

Resumo da matéria -

  • O programa "Por que você é viciado em seu smartphone" da CBC Marketplace, mostra os bastidores, numa conversa com especialistas em tecnologia sobre como o vício em celulares é fabricado e seus efeitos
  • Foi demonstrado que o vício em internet — a incapacidade de se desconectar — afeta a cognição e o foco, pois é uma fonte constante de distração
  • O aplicativo "Moment" registra a quantidade de tempo que você gasta em um aplicativo, permitindo que você veja o quanto de sua vida está desperdiçando
  • Empresas do Vale do Silício usam inteligência artificial e neurociência para criar aplicativos mais atraentes e persuasivos, maximizando o potencial viciante do seu smartphone
  • Os instrumentos de formação de hábitos comumente usados incluem ganchos de prazer, prêmios variáveis, "a rolagem infinita" e técnicas de aversão a perdas
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Como alguém que ama a tecnologia, me dói ver o que os avanços tecnológicos estão fazendo com a saúde psicológica de muitos, especialmente dos jovens. Hoje em dia, as crianças não conseguem nem imaginar a vida antes da internet — uma vida em que o trabalho escolar envolvia idas à biblioteca, e os telefonemas exigiam que você ficasse parado num local (já que o telefone estava conectado à parede).

Pais e filhos agora gastam uma quantidade excessiva de tempo em seus smartphones, se comunicando com amigos (e possivelmente estranhos) via texto, no Twitter e no Facebook, tentando manter seus Snapstreaks no Snapchat.

Até muitas crianças de colo são capazes de navegar em um tablet sem fio hoje em dia. Os smartphones mudaram a maneira como as pessoas interagem socialmente, especialmente os adolescentes, e isso tem impactos significativos em sua saúde psicológica.

Este é um tópico abordado em profundidade no livro de Jean Twenge “iGen: Por que as crianças super conectadas de hoje estão crescendo menos rebeldes, mais tolerantes, menos felizes — e completamente despreparadas para a vida adulta — e o que isso significa para o resto de nós”.

Grande parte da vida social dos adolescentes se dá na solidão de seu quarto, através dos smartphones, apronta Twenge numa adaptação de um artigo de 2017 de seu livro, publicada no Atlantic, e essa falta de interação cara a cara tem um preço psicológico elevado: solidão. Também foi demonstrado que o vício em internet — a incapacidade de se desconectar — afeta a cognição e o foco, pois é uma fonte constante de distração.

Seu celular: necessidade ou conveniência?

O programa "Por que você é viciado em seu smartphone" da CBC Marketplace, mostra os bastidores, numa conversa com especialistas em tecnologia sobre como o vício em celulares é fabricado e seus efeitos.

De acordo com o Marketplace, as pessoas usam seus celulares numa média de três horas por dia e, como mostrado nas filmagens, muitos têm o hábito de mexer no celular enquanto caminham — completamente alheios ao ambiente.

Ao longo da vida, os adolescentes passarão “quase uma década da vida encarando um smartphone”, escreve a repórter da CBC, Virginia Smart, em um artigo relacionado. Se você costuma sentir que não tem tempo suficiente durante o dia para realizar tarefas mais produtivas, talvez o uso de seu celular faça parte do problema, pois está sugando um tempo valioso do seu dia.

Recompensas variáveis e outros truques mentais

Para investigar o uso no mundo real, o CBC Marketplace registra uma família de cinco pessoas em Ontário, Canadá, num experimento: um aplicativo no telefone rastreia o uso de cada membro da família por um período de dois meses. O aplicativo, chamado "Moment", rastreia a quantidade de tempo que gasta em um determinado aplicativo, permitindo que o usuário veja o quanto de sua vida está desperdiçando.

O rastreamento do uso de todos os usuários, em todas as partes, também está sendo feito por empresas do Vale do Silício, em um esforço para descobrir como nos fazer usar ainda mais seus aplicativos. Um deles é o Dopamine Labs, fundado por Ramsay Brown, que usa "inteligência artificial e neurociência para rastrear seu uso, lealdade e receita".

Conforme explicado por Brown, eles usam a IA e a ciência da mente para "tornar os aplicativos mais atraentes e persuasivos". Em outras palavras, eles usam a ciência para maximizar o potencial viciante do seu smartphone.

O segredo é bem simples. Os aplicativos que provocam prazer tornam-se viciantes. Como observado pela CBC Marketplace, é bastante revelador que os dois principais criadores da revolução dos smartphones, Bill Gates e Steve Jobs, tenham admitido limitar o uso de seus dispositivos revolucionários por seus filhos — provavelmente porque sabiam algo que o resto de nós desconhecia.

Não estamos mais projetando software”, diz Brown. "Estamos projetando mentes". Como isso se dá? Alguns dos instrumentos de formação de hábitos mais usados incluem:

  • Anzóis de prazer — Pode ser uma notificação de "Parabéns!" ou "Bom trabalho!" Ou um ícone de "toca aqui" depois que você conclui uma ação, por exemplo. Nas redes sociais, o mesmo vale para as "curtidas". A capacidade de colecionar seguidores é mais um gancho.
  • Recompensas variáveis — Conforme explicado pelo Marketplace, um método-chave usado para induzir sua mente a um comportamento viciante é conhecido como "recompensa variável". Em poucas palavras, significa que você nunca sabe ao certo o que vai receber. Quantas "curtidas" sua publicação vai alcançar? Quantos seguidores você pode conseguir? Quantos dias de acesso seguido?
  • Assim como em outros tipos de jogo, essa incerteza, associada à perspectiva de uma recompensa prazerosa, é o que alimenta a compulsão por continuar.
  • A rolagem infinita — Outro "gancho" aperfeiçoado pelas redes sociais é aquele fluxo interminável de conteúdo e comentários que capaz de prender sua atenção indefinidamente.
  • Aversão à perda — Embora se inicie como uma atividade agradável, em um determinado momento, seu uso continuado se transforma numa prisão que você mesmo criou — você "não pode" parar de usar o aplicativo ou sentirá desapontamento e decepção. O snapstreak do Snapchat é um exemplo perfeito de como os aplicativos ganham com a aversão à perda.

Essas técnicas que "macetam o cérebro" levaram 6% da população global a enfrentar o vício em internet, de acordo com um estudo de 2014, rivalizando com o uso de drogas ilícitas.

Os problemas com uso excessivo e o abuso de celulares levam a distúrbios do sono, ansiedade, estresse e depressão, além de uma maior exposição à radiação de campo eletromagnético, o que também coloca em risco sua saúde e bem-estar mental.

O vício em internet está aumentando

O Marketplace entrevista Lisa Pont, assistente social do Centro Canadense de Dependência e Saúde Mental, em cujo programa as pessoas estão entrando porque o uso de smartphones se tornou um problema.

“Pesquisas estão começando a mostrar que a tecnologia tem um impacto na memória, concentração e humor, [causando] ansiedade e depressão; isso afeta o sono, afeta o bem-estar geral”, diz Pont.

As crianças, salienta Pont, são particularmente vulneráveis devido à sua inata falta de autocontrole, e precisam de orientação dos pais e limite no uso do dispositivo. "É muito tentador, nessa idade, mitigar seu próprio uso", diz Pont, apontando que o cérebro das crianças não está totalmente desenvolvido; portanto, elas não têm controle ao impulso e capacidade de prever as consequências de seu comportamento.

O uso de celular e a depressão

Como observado por Twenge em seu artigo “Os smartphones destruíram uma geração?”, as taxas de depressão e suicídio entre adolescentes aumentaram drasticamente desde 2011, e os dados sugerem que passar três horas ou mais por dia em dispositivos eletrônicos pode aumentar em até 35% o risco de suicídio de um adolescente.

Passar 10 horas ou mais por semana nas redes sociais também está associado a um risco 56% maior de se sentir infeliz, em comparação com aqueles que usam menos as mídias sociais. E aqueles que usam intensamente as redes sociais têm um risco 27% maior de depressão.

Quanto tempo você passo no seu telefone?

Depois de monitorar Jackson, de 8 anos, por dois meses, seu tempo médio diário chegou a cinco horas e 32 minutos, mas em alguns dias ele passa quase 11 horas em seu tablet — basicamente o dia inteiro. Nesse ritmo, seu tempo de vida útil estimado diante de uma tela de celular é de 15 anos.

Sua mãe admite estar preocupada com o tempo que o filho passa no celular, especialmente porque ela notou que ele normalmente prefere gastar seu tempo no tablet em detrimento de todas as outras interações e atividades sociais. Enquanto isso, Emily, de 16 anos, troca seu sono pelas redes sociais. Ela admite ser pega na rolagem infinita; antes de dar-se conta, muitas horas já se passaram.

Conforme observado no artigo de Twenge no Atlantic, a privação de sono entre os adolescentes aumentou 57% entre 1991 e 2015. Muitos nem sequer chegam a dormir sete horas regularmente, enquanto a ciência revela que precisam de, no mínimo, 8 a 10 horas para manter a saúde.

Emily não é exceção, admitindo que verificar seu telefone faz parte de sua rotina matinal e noturna. É a primeira coisa que faz ao acordar e a última antes de dormir. Para Emily, grande parte de seu dia gira em torno do Snapchat. Ela usa o aplicativo continuamente para manter contato com seus amigos — mesmo quando eles estão sentados ao lado dela.

Como mencionado, o Snapchat usa uma técnica conhecida como "aversão à perda" para manter seus usuários. Emily tem uma sequência no Snapchat que já dura quase dois anos, e agora ela se sente compelida a não quebrá-la, o que seria uma aversão à perda.

Em muitos dias, o telefone de Emily permanece em uso por quase 7,5 horas. O aplicativo Moment identificou que ela pegava o telefone até 100 vezes por dia durante o período de monitoramento. Em média, ela gasta no telefone 30% do tempo que passa acordada. Seus pais não estão muito atrás, cada um com uma média de 21%.

Os sintomas do vício em internet

Os sintomas do vício em internet ou celular são semelhantes a outros tipos de vício, mas são mais socialmente aceitáveis. Conforme observado em um estudo, o vício em internet (IA) é:

“Geralmente considerado um distúrbio de preocupação, porque as anormalidades neurais (por exemplo, atrofias no córtex pré-frontal dorsolateral) e disfunções cognitivas (por exemplo, memória de trabalho prejudicada) associadas ao vício em internet imitam as relacionadas à dependência química e comportamental. Além disso, o vício em internet é frequentemente comórbido com transtornos mentais, como déficit de atenção e hiperatividade e depressão.”

Segundo a Psycom.net, as condições que podem aumentar seu risco de dependência ou compulsão por internet incluem ansiedade, depressão, outros vícios e isolamento social ou constrangimento. Os sintomas emocionais comuns ao vício em internet incluem:

Tédio com tarefas rotineiras

Desonestidade e defensividade

Sensação de culpa, medo ou ansiedade; mudanças de humor

Sensação de euforia enquanto está online

Procrastinação; incapacidade de priorizar tarefas ou manter compromissos

Evitar o trabalho

Os sintomas físicos do transtorno de dependência da internet podem incluir:

Dor nas costas, dor de cabeça, dor no pescoço

Síndrome do túnel carpal

Olhos secos e outros problemas de visão

Insônia

Má nutrição; ganho ou perda de peso

Pouca higiene pessoal

As notificações afetam consideravelmente sua cognição

Se você é como a maioria das pessoas, provavelmente possui uma série de notificações programadas no seu telefone. De acordo com o Marketplace, essas notificações dizem preocupam os especialistas, que alertam que o constante toque, bipe e vibração, na verdade, têm consequências significativas para a cognição.

Commons, que é correspondente do Marketplace, visita a Western University, onde muitas pesquisas sobre cognição estão sendo conduzidas. Ele participou de um teste para avaliar sua capacidade de se concentrar e para ver como as distrações do telefone afetam sua atenção e cognição.

Primeiro, Commons realiza o teste de atenção sem o telefone. Na rodada seguinte de testes, o telefone fica ligado, nas proximidades. E, embora ele não o possa ver, consegue ouvir — telefonemas, mensagens de texto e a chegada de notificações das redes social.

Na terceira parte do teste, Commons precisa se lembrar de números que foram enviados por mensagem de texto para ele. "Isso reflete como normalmente interagimos com nossos telefones", explica o pesquisador. Você pode enviar dados em texto para um colega de trabalho, por exemplo, ou seu cônjuge pode pedir que você compre leite no caminho de casa.

Commons admite que as distrações causadas por seu telefone interferiram consideravelmente em sua capacidade de se concentrar na tarefa em questão. Até as vibrações sem som causaram problemas. Mas de que tamanho esse problema? A compreensão verbal de Commons diminuiu quase 20% quando as distrações telefônicas foram permitidas.

Um passo simples que pode eliminar muitas dessas distrações é simplesmente desativar todas as notificações. Ainda assim, basta ter o telefone por perto para sua mente se distrair do que está fazendo.

Um estudo que utilizou um grupo de mais de 50 estudantes universitários constatou que o desempenho em tarefas complexas era pior quando o participante podia ver um celular, fosse o telefone do líder do estudo ou o próprio, em comparação com o desempenho de tarefas quando nenhum celular estava à vista.

Conforme observado por Brown, os smartphones vieram para ficar, e os desenvolvedores de aplicativos estão ficando cada vez mais sofisticados para prender sua atenção. Os usuários de smartphones, portanto, precisam se tornar mais inteligentes e aprender a fazer escolhas conscientes sobre o uso de seus dispositivos.