Cientistas Descobrem Ligação Direta entre o Cérebro e Sistema Imunológico

sistema imunológico

Resumo da matéria -

  • Pesquisadores descobriram uma ligação direta entre o cérebro e o sistema imunológico, através de vasos linfáticos que anteriormente não se sabia que existiam
  • Os vasos podem desempenhar um papel importante nas doenças neurológicas que têm um componente imunológico
  • Está ficando cada vez mais claro que seu cérebro, seu sistema imunológico e os micróbios do seu intestino estão intrinsecamente ligados
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Uma nova descoberta feita por uma equipe de pesquisadores da Universidade da Virgínia (UVA) “pode exigir uma reavaliação dos pressupostos básicos da neuroimunologia” (um campo envolvido no estudo do sistema nervoso e do sistema imunológico).

Uma ligação direta entre o cérebro e o sistema imunológico, via vasos linfáticos que não era conhecida anteriormente, foi descoberta. Semelhantemente aos vasos sanguíneos, que transportam sangue por todo o corpo, os vasos linfáticos transportam células imunológicas por todo o corpo.

No entanto, por muito tempo considerou-se que tais vasos paravam antes de chegar ao cérebro. A nova descoberta, que detectou vasos linfáticos sob o crânio de um rato, poderia abrir novos caminhos para a compreensão do autismo, esclerose múltipla, Alzheimer e muitas outras doenças.

Está ficando cada vez mais claro que seu cérebro, seu sistema imunológico e os micróbios do seu intestino estão intrinsecamente ligados. O autismo, por exemplo, está associado a problemas gastrointestinais e potencialmente a uma reação exagerada no sistema imunológico.

Conforme reportado pelo io9:

“Além disso, doenças neurológicas como a esclerose múltipla e a doença de Alzheimer há muito tempo estão ligadas a mudanças na função do sistema imunológico, e doenças autoimunes do intestino, como a doença de Crohn, correlacionadas com doenças psiquiátricas.”

Nem sempre ficou claro como tais ligações ocorriam, mas agora descobriram um eixo entre o cérebro e o intestino e um caminho que vai do sistema imunológico até o cérebro.

“Eles Terão que Alterar os Livros Didáticos”

Essa foi a reação do Dr. Kevin Lee, presidente do Departamento de Neurociência da UVA, quando soube da nova descoberta. Os vasos linfáticos foram detectados nas meninges, as membranas protetoras que cobrem o cérebro, e descobriu-se que seguem de perto os vasos sanguíneos.

O principal autor do estudo, Jonathan Kipnis, professor do Departamento de Neurociências da UVA e diretor do Centro de Imunologia Cerebral da UVA, destacou a importância da descoberta:

“Acreditamos que, para cada doença neurológica que possui um componente imunológico, esses vasos podem desempenhar um papel importante. Difícil imaginar que esses vasos não estariam envolvidos em uma doença [neurológica] com um componente imunológico…

Na Doença de Alzheimer [por exemplo], há acúmulos de grandes pedaços de proteína no cérebro. Nós consideramos que elas podem estar acumulando-se no cérebro porque não estão sendo eficientemente removidas por esses vasos.”

Faz sentido. Por que seu cérebro não teria um canal direto ao seu sistema imunológico, afinal de contas? E tem havido pistas ao longo do caminho. O cérebro já foi considerado como livre de vigilância imunológica normal, o que era considerado necessário, para começar, porque um inchaço (uma resposta imune normal) dentro do cérebro poderia ser fatal.

No entanto, considerar o cérebro “privilegiado imunologicamente” era excessivamente simplista. De acordo com io9:

“Estudos cuidadosos demonstraram que o cérebro interage com o sistema imunológico periférico, embora isso ocorra de maneiras únicas. As células imunológicas circulam, de alguma forma, pelo cérebro, e os antígenos que normalmente atiçariam uma resposta imune são drenadas do cérebro para os nódulos linfáticos.”

Os vasos linfáticos recentemente descobertos no cérebro realmente sugerem que há uma conexão íntima e essencial entre o cérebro e o sistema imunológico que está apenas começando a ser descoberta.

Micróbios no seu Intestino Também Influenciam seu Cérebro

Não é apenas o seu sistema imunológico que tem uma linha direta para o seu cérebro. Seu intestino, que está repleto de vida microbiana, também se comunica com seu cérebro, através do que é conhecido como o “eixo intestino-cérebro”.

De fato, além do cérebro na sua cabeça, embutido na parede do seu intestino está o seu sistema nervoso entérico (SNE), que funciona tanto independentemente quanto em conjunto com o cérebro na sua cabeça.

Essa comunicação entre seus “dois cérebros” funciona nos dois sentidos e é o caminho para como os alimentos afetam seu humor ou por que a ansiedade pode deixar você com um mal estar estomacal, por exemplo. No entanto, esta conexão intestino-cérebro envolve muito mais do que apenas comida de conforto ou borboletas no estômago.

Segundo a Scientific American:

“O eixo intestino-cérebro parece ser bidirecional o cérebro atua sobre funções gastrointestinais e imunológicas que ajudam a moldar a composição microbiana do intestino, e os micróbios intestinais produzem compostos neuroativos, incluindo neurotransmissores e metabólitos que também atuam no cérebro.”

Isso também explica por que as alterações nas suas bactérias intestinais estão ligadas a distúrbios cerebrais e mais, incluindo depressão. A Dra. Jane Foster, professora associada de psiquiatria e neurociência comportamental da Universidade McMaster, descreveu para a Medicine Net as várias maneiras pelas quais os micróbios do seu intestino comunicam-se com o seu cérebro:

“Uma é através do sistema nervoso entérico, a parte do sistema nervoso que governa o trato digestivo. Além disso, as bactérias intestinais podem alterar a forma como o sistema imunológico funciona, o que pode afetar o cérebro. As bactérias do intestino também estão envolvidas na digestão, e as substâncias que produzem quando decompõem os alimentos podem afetar o cérebro.

E sob certas condições, como estresse ou infecção, bactérias intestinais potencialmente causadoras de doenças, ou micróbios ruins podem vazar pela parede do intestino e entrar na corrente sanguínea, permitindo que eles e os produtos químicos que eles produzem comuniquem-se com o cérebro através das células nas paredes dos vasos sanguíneos.

As bactérias também podem comunicar-se diretamente com células em certas regiões do cérebro, incluindo aquelas localizadas perto de áreas envolvidas no estresse e humor…”

Alterar suas Bactérias Intestinais pode Influenciar seu Humor

Um estudo publicado na revista especializada Gastroenterology recrutou 36 mulheres entre as idades de 18 e 55 anos que foram divididas em três grupos:

  • O grupo de tratamento consumiu iogurte contendo vários probióticos que se considerava ter um impacto benéfico na saúde intestinal, duas vezes por dia durante um mês
  • Outro grupo comeu um produto “de mentira” que parecia e tinha gosto de iogurte, mas não continha probióticos
  • O grupo de controle não consumiu nenhum produto

Antes e depois do estudo de quatro semanas, as participantes foram submetidas a exames de ressonância magnética funcional (fMRI), ambos em estado de repouso e em resposta a uma “tarefa de reconhecimento de emoções”.

Para este último, foram mostradas às mulheres uma série de fotos de pessoas com rostos irritados ou assustados, que elas tinham que combinar com outros rostos mostrando as mesmas emoções.

“Essa tarefa, projetada para medir o envolvimento de regiões cerebrais afetivas e cognitivas em resposta a um estímulo visual, foi escolhida porque pesquisas anteriores em animais haviam vinculado mudanças na flora intestinal a mudanças nos comportamentos afetivos”, explicou a UCLA.

Curiosamente, em comparação com os controles, as mulheres que consumiram iogurte probiótico diminuíram a atividade em duas regiões do cérebro que controlam o processamento central de emoção e sensação:

  • O córtex insular (ínsula), que desempenha um papel em funções tipicamente ligadas à emoção (incluindo a percepção, o controle motor, a autoconsciência, o funcionamento cognitivo e a experiência interpessoal) e a regulação da homeostase do seu corpo
  • O córtex somatossensorial, que desempenha um papel na capacidade do seu corpo de interpretar uma ampla variedade de sensações

Durante a análise do cérebro em repouso, o grupo de tratamento também demonstrou uma maior conectividade entre uma região conhecida como “cinzenta periaquedutal” e áreas do córtex pré-frontal associadas à cognição. Em contraste, o grupo de controle demonstrou maior conectividade da substância cinzenta periaquedutal a regiões relacionadas a emoções e sensações.

“Psicobióticos” para uma Saúde Mental Melhor?

A pesquisa está crescendo, demonstrando que o cérebro e os micróbios de seu corpo estão intrinsecamente ligados. Em dezembro de 2011, o Journal of Neurogastroenterology and Motility reportou a nova descoberta de que o probiótico conhecido como Bifidobacterium longum NCC3001 pode ajudar a normalizar o comportamento semelhante à ansiedade em ratos com colite infecciosa.

Pesquisas separadas também descobriram que o probiótico Lactobacillus rhamnosus teve um efeito marcante no GABA (um neurotransmissor inibitório que está significativamente envolvido na regulação de muitos processos fisiológicos e psicológicos) em certas regiões do cérebro e diminuiu a corticosterona, um hormônio induzido pelo estresse, resultando na redução da ansiedade e comportamento relacionado à depressão.

Assim como você tem neurônios no seu cérebro, você também tem neurônios no seu intestino incluindo neurônios que produzem neurotransmissores como a serotonina, que também é encontrada em seu cérebro. De fato, a maior concentração de serotonina, que está envolvida no controle do humor, depressão e agressividade, é encontrada no seu intestino, não no seu cérebro.

Os psicobióticos ou “bactérias para o cérebro” estão sendo usados até para tratar com sucesso a depressão, ansiedade e outros problemas psiquiátricos, embora sejam necessárias mais pesquisas para determinar quais probióticos e em quais doses funcionam melhor para diferentes transtornos do humor.

Atualmente, os pesquisadores estão explorando os chamados antibióticos “bala mágica”, que são capazes de atingir bactérias “ruins” específicas, enquanto deixam boas bactérias intactas. Os transplantes fecais também estão sendo cada vez mais explorados como uma forma de chegar a um equilíbrio microbiano saudável.

A Ligação Inflamatória Entre seu Intestino e seu Cérebro

Seu intestino também é o ponto de partida para a inflamação — na verdade, é o guardião da sua resposta inflamatória. De acordo com a psiconeuroimunologista Kelly Brogan, os microrganismos do seu intestino desencadeiam a produção de citocinas.

As citocinas estão envolvidas na regulação da resposta do sistema imunológico à inflamação e infecção. Assim como os hormônios, as citocinas são moléculas sinalizadoras que auxiliam na comunicação célula a célula, dizendo às células para onde ir quando sua reação inflamatória é iniciada.

A maioria dos sinais entre seu intestino e seu cérebro percorre seu nervo vago — cerca de 90% deles. Vagus é a palavra em latim para “errante”, apropriadamente nomeada, uma vez que este longo nervo vai do seu crânio para baixo passando pelo seu peito e abdômen, ramificando-se para vários órgãos.

Mensageiros de citocina produzidos no seu intestino cruzam seu cérebro ao longo da “estrada do nervo vago”. Uma vez no seu cérebro, as citocinas dizem à sua micróglia (as células imunes do cérebro) para realizar certas funções, como produzir substâncias neuroquímicas.

Algumas delas têm efeitos negativos nas mitocôndrias, que podem afetar a produção de energia e a apoptose (morte celular), além de afetar negativamente o sistema de resposta muito sensível que controla seus hormônios do estresse, incluindo o cortisol.

Então, essa reação inflamatória que começou no seu intestino vai até o seu cérebro, que então acumula-se e envia sinais para o resto do seu corpo em um loop de resposta complexo. A mensagem principal a se compreender é a seguinte: as partes do seu corpo estão intrinsecamente ligadas, e a saúde do seu intestino é de extrema importância para a saúde do seu cérebro e do seu sistema imunológico.

“Psiquiatria Nutricional” para a Saúde do seu Cérebro

Voltando ao ciclo completo de sua saúde cerebral, consumir alimentos fermentados naturalmente é uma das melhores maneiras de otimizar seu microbioma, o que, por sua vez, pode otimizar a saúde de seu cérebro. Alimentos fermentados também são um componente chave do protocolo GAPS, uma dieta projetada para curar e selar seu intestino.

Estudos científicos revelaram um ciclo de resposta positivo entre os alimentos que você deseja e a composição do seu microbioma, que depende desses nutrientes para sobreviver. Então, se você está desejando açúcares e carboidratos refinados, você pode realmente estar alimentando um exército voraz de Candida!

Uma vez que você tenha começado a eliminar os alimentos que prejudicam sua flora benéfica, comece a incorporar alimentos fermentados como chucrute, picles fermentados naturalmente, missô, tempeh, e laticínios fermentados feitos de leite cru e não pasteurizado proveniente de animais alimentados com grama (iogurte, kefir, etc.).

Esses alimentos probióticos ajudarão a curar, repovoar e “reeducar” seu intestino. Um artigo no Journal of Physiological Anthropology afirma que a fermentação adequadamente controlada amplifica o conteúdo específico de nutrientes e fitoquímicos dos alimentos, melhorando assim a saúde do cérebro, tanto física quanto mental.

Os autores escreveram que:

“O consumo de alimentos fermentados pode ser particularmente relevante para as pesquisas emergentes que ligam as práticas alimentares tradicionais e uma saúde mental positiva. A forma com que os produtos alimentares tradicionais poderiam mitigar a inflamação e o estresse oxidativo poderia ser controlado, pelo menos em algum grau, pela microbiota.”

Eles continuam, dizendo que os micróbios associados com alimentos fermentados (por exemplo, espécies de Lactobacillus e Bifidobacteria) também podem influenciar a saúde do cérebro através de vias diretas e indiretas, o que abre caminho para novas investigações científicas na área de “psiquiatria nutricional”.

O desenvolvimento de uma flora intestinal saudável começa no nascimento. O parto e a amamentação preparam o cenário para os organismos que vão habitar o corpo do seu bebê. Portanto, se você é uma futura mãe, é importante otimizar sua própria microflora, já que a estará passando para o seu filho.

A boa notícia é que os legumes fermentados são fáceis de fazer na sua própria cozinha. Eles também são a maneira mais econômica de acrescentar probióticos de alta qualidade na sua alimentação. Seu objetivo deve ser consumir um quarto a meia xícara de legumes fermentados em cada refeição, mas você pode precisar ir aumentando gradualmente até essa quantidade. Considere começar com apenas uma ou duas colheres de chá algumas vezes por dia e aumente conforme sua tolerância permitir.

Se isso for demais (talvez seu corpo esteja seriamente comprometido), você pode até mesmo começar a beber uma colher de chá da salmoura de legumes fermentados, que é rica nos mesmos micróbios benéficos. Você também deve considerar tomar um suplemento probiótico de alta potência, mas perceba que não há substituto para um alimento real.