Os Probióticos Reduzem a Pressão Arterial

intestinos felizes

Resumo da matéria -

  • Em um estudo recente, os pesquisadores descobriram que em indivíduos que consumiram probióticos durante uma semana antes de iniciar uma dieta rica em sódio, tanto a pressão arterial quanto os níveis de Lactobacillus, bactérias benéficas do intestino, permaneceram dentro dos limites normais
  • Tomar probióticos por alguns dias não é suficiente; as pessoas que consumiram probióticos por menos de dois meses não demonstraram o impacto positivo em suas medições de pressão arterial
  • Estudos demonstram que a pressão sanguínea reduzida devido à ingestão de probióticos ocorre através de vários mecanismos diferentes após o estabelecimento de um regime estável, sendo um dos mais importantes a sua capacidade de reduzir a resistência à insulina
  • Iogurte cru feito com leite de animais alimentados com grama, chucrute, kimchi e outros legumes fermentados são excelentes fontes de probióticos, mas um suplemento probiótico de qualidade também pode ser usado para melhorar sua ingestão
Tamanho da fonte:

Por Dr. Mercola

Há muitos médicos que vão repetir que comer “muito sal” aumentará sua probabilidade de desenvolver pressão alta. Há muitas informações novas acerca disso, de um número crescente de cientistas, e é um debate acirrado; na verdade, o Dr. Sean C. Lucan, da Faculdade de Medicina Albert Einstein, refutou a premissa por trás do então czar da saúde de Nova Iorque, a campanha “guerra ao sal” do Dr. Thomas Farley em 2010, chamando-a de “equivocada” e afirmando que:

“Não sabemos se a redução do consumo médio de sódio na população diminuiria o risco de doenças cardiovasculares ou salvaria vidas… Para alguns pacientes cardíacos de alto risco, alguns estudos demonstram que uma dieta com baixo teor de sal ‘leva a doenças cardiovasculares piores e morte prematura’.”

Então, se o maior culpado pela pressão alta não é comer muito sal, o que pode ser feito para diminuir sua pressão arterial? Uma solução reside nas suas bactérias intestinais, pois o consumo regular de probióticos pode ajudar a aliviar os sintomas. Os cientistas analisaram dados de nove estudos, todos examinando as associações entre probióticos e pressão arterial. Juntando todos, 543 adultos com níveis normais ou altos de pressão arterial participaram. Os pesquisadores concluíram:

“As pessoas que consumiram probióticos tiveram uma redução média na pressão arterial sistólica (o número superior em uma leitura) de cerca de 3,6 milímetros de mercúrio (mmHg) e uma redução média na pressão arterial diastólica (o número mais baixo) de cerca de 2,4 mmHg, em comparação com aqueles que não consumiram probióticos.

Os benefícios dos probióticos pareciam maiores entre as pessoas com pressão arterial elevada (superior a 130/85), e os probióticos com vários tipos de bactérias diminuíram a pressão arterial mais do que aqueles com um único tipo de bactéria.”

A Ingestão Regular de Probióticos é Fundamental

O estudo, que foi publicado na revista Hypertension, também observou que a palavra “regularmente” em relação à ingestão de probióticos é fundamental; aqueles que consumiram probióticos por menos de dois meses não demonstraram nenhum impacto positivo nas leituras de pressão sanguínea.

O principal autor do estudo, Jing Sun, da Universidade Griffith, na Austrália, observou que mesmo a partir da relativamente pequena coleção de estudos que ele e seus colegas analisaram, o consumo regular pode permitir ou impedir o sucesso dos probióticos para aliviar a hipertensão.

Ele não só pode ajudar a diminuir sua pressão arterial alta, mas alimentar-se de uma dieta rica em alimentos fermentados também pode ajudar a manter níveis saudáveis. O iogurte cru feito com leite de animais alimentados com grama e outros alimentos lácteos cultivados, como queijo e kefir, uma bebida láctea fermentada, são exemplos.

Aparentemente, os cientistas em geral acreditam que mais provas são necessárias, pois os estudos demonstraram apenas uma associação entre a ingestão de probióticos e leituras de pressão sanguínea reduzidas, em vez de uma “causa e efeito” real, e havia variáveis, como a quantidade de probióticos consumidos e outras alimentos que também podem ter sido benéficos, que denotam resultados desiguais.

Ainda assim, o Dr. Merle Myerson, do Centro de Prevenção de Doenças Cardiovasculares do Hospital Monte Sinai Roosevelt e St. Luke's em Nova York, admitiu que “apesar dessas limitações, os resultados são úteis para sugerir para onde mais pesquisas devem ser direcionadas”.

Resistência à Insulina: A Chave para um Coração Saudável

O Dr. Bruce Rutkin, cardiologista do Hospital da Universidade North Shore em Manhasset, Nova York, afirma que os probióticos podem influenciar sua pressão arterial para melhor através de vários mecanismos diferentes, depois de estabelecer uma dieta constante deles. Uma das mais importantes é a sua capacidade de reduzir a resistência à insulina, que está bem estabelecida como um dos principais intervenientes na diabetes.

E isso, Rutkin concorda, pode ser a chave mais vital para o acompanhamento do risco cardiovascular em relação às medições da pressão sanguínea de uma pessoa. A Diabetic Journals explica:

“A resistência à insulina, reconhecida como um forte preditor de doença em adultos, tornou-se o principal elemento da síndrome metabólica e renovada como foco de pesquisa. A doença existe quando os níveis de insulina estão acima do esperado em relação ao nível de glicose. Assim, a resistência à insulina é, por definição, ligada à hiperinsulinemia.”

A presença ou ausência de sensibilidade à insulina é importante para a saúde do coração, porque à medida que os níveis de insulina aumentam, a pressão arterial aumenta. A hipertensão arterial é um dos efeitos colaterais da resistência à insulina que conduz à aterosclerose ao colocar estresse em suas artérias.

Estudo: Boas Bactérias Intestinais Podem “Deter” o Aumento da Pressão Arterial

Uma análise excepcionalmente aprofundada sobre como os probióticos podem influenciar a pressão arterial foi realizada em vista das indicações clínicas de que consumir muito sal “duplicaria” seu risco de insuficiência cardíaca, e que mesmo comer um pouco dele pode aumentar suas chances de desenvolver doença cardíaca ou ter um incidente relacionado ao coração.

Cientistas do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), em Cambridge, Massachusetts, juntaram-se a pesquisadores de várias instituições na Alemanha para avaliar descobertas anteriores sobre os efeitos de uma dieta rica em sal em bactérias benéficas do intestino.

Suas descobertas foram publicadas na revista Nature. O primeiro autor Nicola Wilck, do Max-Delbruck Center for Molecular Medicine (Centro Max-Delbruck de Medicina Molecular), em Berlim, trabalhou com os colegas Dominik Muller e Ralf Linker, da Universidade Friedrich-Alexander, em Erlangen, na Alemanha, conduzindo conjuntamente a pesquisa.

Como o Medical News Today revela, os pesquisadores descobriram que a adição de alta ingestão de sal criava as mesmas alterações em seres humanos e nos ratos:

“Um desafio moderado com alto teor de sal em um estudo piloto em humanos reduziu a sobrevivência intestinal de Lactobacillus spp., aumentou as células TH17 e aumentou a pressão sanguínea. Nossos resultados conectam a alta ingestão de sal ao eixo intestino-imunidade e destacam o microbioma intestinal como um potencial alvo terapêutico para neutralizar as condições sensíveis ao sal.”

O resultado foi que os pesquisadores descobriram que em indivíduos que consumiram probióticos por uma semana antes de iniciar uma dieta rica em sódio, tanto a pressão arterial quanto os níveis de bactérias benéficas de Lactobacillus permaneceram dentro dos limites normais. O coautor do estudo, Eric Alm, diretor do Centro de Microbioma Informática e Terapêutica do MIT, observou que:

“Estamos aprendendo que o sistema imunológico exerce grande controle sobre o corpo, algo que vai além do que geralmente consideramos imunidade. Os mecanismos pelos quais ele exerce esse controle ainda estão sendo investigados… Se pudermos encontrar a evidência e descobrir os detalhes moleculares completos sobre o que está acontecendo, então seria mais provável que as pessoas o escutassem e tivessem uma dieta saudável.”

Alm concluiu que, pelo menos por sua parte, pode haver algum mérito no desenvolvimento de probióticos direcionados para “consertar” alguns dos efeitos de uma dieta ruim, acrescentando que as pessoas não devem usá-los como uma cura para tudo — “Coma fast food e em seguida, tome um probiótico, e o efeito dele será cancelado”.

Probióticos: Como Eles Podem Otimizar Sua Saúde

Aqui estão algumas estatísticas preocupantes: diz-se que um terço dos americanos possui pressão alta, e dezenas de milhares de americanos morrem a cada ano como resultado disso. Mas isso não é tudo: a hipertensão geralmente leva a doenças cardíacas e derrames, que são, eles próprios, algumas das causas mais comuns de morte.

No entanto, dado que atualmente a economia depende muito da indústria farmacêutica, o tratamento mais popular (para medicina convencional) é baseada em medicamentos para hipertensão.

Pelo contrário, a solução mais fácil para livrar-se da pressão alta é reduzir a resistência à insulina. O fato é que a resistência à insulina é uma causa notória de pressão alta, o que por sua vez pode causar outro problema, um risco aumentado de doença cardiovascular.

É aí que entram os probióticos. Austin Perlmutter, um estudante de medicina da Miller School of Medicine (Faculdade de Medicina Miller), fez referência ao aumento da pesquisa de microbiomas e o fato de que a suplementação de probióticos pode impactar positivamente a pressão alta.

Ele observou outros efeitos positivos, como o aumento da saúde cerebral e melhora da pele, juntamente com reduções significativas nas medidas de pressão arterial diastólica e sistólica, acrescentando que: “Como era de se esperar, mais mudanças positivas foram observadas em pessoas que começaram com pressão alta do que em pessoas que eram saudáveis”.

Os resultados positivos dos estudos favorecem a teoria de que o aumento do consumo de probióticos reduz a pressão arterial, mas o fato é que, em geral, essa é uma situação extremamente benéfica. Existem inúmeras razões pelas quais aumentar sua ingestão de probióticos beneficiaria sua saúde de muitas maneiras diferentes.

Benefícios dos Probióticos

O estudo feito pela revista Hypertension revelou que as pessoas que mais iriam beneficiar-se do uso de probióticos para reduzir a pressão arterial são todas aquelas que no início do estudo tinham medições de pressão alta, bem como pessoas que consumiram várias cepas diferentes. Além de frutas e legumes cuidadosamente selecionados para reduzir naturalmente a pressão arterial, algumas das melhores fontes de probióticos que você pode consumir incluem:

Iogurte cru, proveniente de animais alimentados com grama

Chucrute e outros vegetais fermentados

Kimchi

Picles

Natto

Kefir

Sopa de missô

Nutrir seu microbioma com probióticos é apenas uma das formas sem medicamentos para diminuir sua pressão arterial, mas pode revolucionar sua saúde, melhorando todos os sistemas do seu corpo, começando com seu intestino.